Está em Consulta Pública o novo Manual de Contratação de Serviços de Arquitetura e Urbanismo

Resultado de 3 anos e meio de pesquisa, elaboração e discussão o novo Manual de Procedimentos e Contratação de Serviços de Arquitetura e Urbanismo foi aprovado na última reunião do Conselho Superior (COSU) do IAB em Palmas/TO no mês de junho deste ano.
O documento será apresentado na sexta edição do "Arquitetura e Urbanismo em Debate", promovido pelo IAB-CE nesta quarta-feira, 31 de agosto. Depois de apresentado e discutido no evento, o Manual estará disponível para consulta pública a todos os arquitetos do Brasil para que todos tenham a oportunidade de sugerir alterações em benefício da classe. Essas contribuições serão sistematizadas para a aprovação final na 138ª reunião do COSU, prevista para novembro de 2011.

Para ter acesso ao manual clique aqui

Fonte: http://www.iabce.org.br/?view=topic&page=358

Estudo de Desenho Urbano no Bairro São José – João Pessoa/PB

 

Estudo de Desenho Urbano no Bairro São José

Estudo de Desenho Urbano no Bairro São José: reflexões propositivas – Projeto de extensão desenvolvido pelos alunos do 9 período do curso de Graduação em Arquitetura e Urbanismo do UNIPÊ entre 2010.2 e 2011.2.

Prof. Ms. Marco Suassuna Alunos: Igor Siebra Maropo, Kaline Nunes, Lívia Falcão, Luciana de Lira A. Sampaio, Mariana Caldas Melo, Natália Caroline de M. Dantas, Ygor Gonzaga Gonçalves da Costa, Zacarias Paulo de M. Neto

Breve contextualização

O trabalho aborda a experiência de desenho urbano na maior favela de João Pessoa-PB com mais de 16.000 habitantes, situada em região nobre cujo entorno é formado por bairros de classe média-alta, João Agripino e Manaíra. A ocupação desordenada encontra-se entre dois limites naturais: o Rio Jaguaribe e a falésia. O projeto de extensão desenvolvido entre os semestres 2010.2 e 2011.1, pelos alunos do 9º período do curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo do UNIPÊ, busca estudar meios que possam contribuir com a redução da exclusão sócioespacial propondo o seu redesenho com a provisão de infraestrutura e equipamentos de inclusão socioespacial, utilizando-se da ferramenta do desenho urbano.

Procedimentos metodológicos
Foram percorridos os seguintes passos para a elaboração do estudo:

● Levantamento bibliográfico:
● Pesquisa de campo e entrevistas:
● Registro fotográfico:
● Atividades de atelier:
● Desenvolvimento da proposta de desenho urbano e das tipologias arquitetônicas:
● Elaboração de painéis que apresentam os resultados do estudo. (Veja no Final do artigo)

Áreas estratégicas catalisadoras das transformações:
Para viabilizar os trabalhos acadêmicos, foram definidas duas áreas catalisadoras das transformações a) o acesso principal, como símbolo maior de integração com o entorno; e b) dois espaços vazios próximos a Unidade de Saúde da Família, cuja proposta consolida a vocação de praças de convívio.

Do acesso principal
O acesso ao bairro se dá pela Avenida Ruy Carneiro, importante eixo viário de ligação entre os bairros de alta renda, na zona leste litorânea, e a Avenida Epitácio Pessoa, que conduz os fluxos em direção ao centro da cidade. Pela condição de exclusão espacial, a estrutura físicoambiental do acesso é marcada por construções precárias, calçadas deterioradas e com desníveis e barreiras físicas que impedem a acessibilidade. A principal via do bairro, denominado Rua Edmundo Filho, é sub-dimensionada ocasionando conflitos entre os veículos que saem e os que entram no bairro. Outro aspecto preocupante se refere à ocupação às margens do Rio Jaguaribe, onde em períodos de fortes chuvas, inundações evidenciam os sinais da ocupação desordenada.

Como resultado desses aspectos reunidos, a paisagem do acesso ao bairro é caótica e despercebida pelos transeuntes e motoristas do entorno devido o estado de abandono e pelas barreiras físicas das construções que impedem a perspectiva urbana. Para tentar inverter esse quadro, o trabalho entende que é preciso: a) integrar o acesso do bairro com o entorno a partir da liberação das visuais; b) promover a inclusão sócio espacial; c) minimizar os impactos ambientais ao Rio Jaguaribe, dignificar as habitações e comércios; d) melhorar a visibilidade do rio e do bairro contribuindo para qualificar o desenho da paisagem do acesso.

Fotomontagem mostrando o edifício de uso misto (habitacional e comercial), a praça, a vegetação ripária e liberação das visuais do principal acesso ao bairro São José. Fonte: Igor Siebra.


Das praças próximas a Unidade de Saúde da Família

No ano de 2008, a prefeitura municipal de João Pessoa construiu a Unidade de Saúde da Família no lado do bairro Manaíra. Para interligar com o bairro São José, foi construída uma ponte metálica por onde passam tanto motos e bicicletas quanto pedestres. Resultado das demolições das moradias para implantação da ponte, duas áreas livres com bancos danificados e aridez insinuam a condição de ponto de encontro, uma do lado do bairro de baixa renda em questão, a outra do lado do bairro de maior poder aquisitivo (Manaíra). Mas o estado de abandono e degradação de ambas surpreende pelo contraste de ser vizinho a uma intervenção oficial construída pela prefeitura – a USF.

A partir da leitura do lugar, do reconhecimento das preexistências paisagística, comportamentais e de fluxos foram estabelecidas algumas diretrizes: a) disciplinar o fluxo de motos, bicicletas e pedestres; b) consolidar a vocação de ponto de convívio nas áreas livres; c) oferecer dois espaços públicos que integram as cidades formal e informal; e e) contribuir com o desenho qualificado da paisagem no trecho marcado por feiúra e descaso.
Expectativas futuras

Apontado como sendo o principal objetivo do projeto de extensão desenvolvido, a elaboração da proposta de desenho urbano em questão, apresenta como intenção final sua apresentação à comunidade do referido bairro, bem como, ao poder municipal responsável, e aos interesses privados que se relacionam de alguma forma com o espaço de intervenção.
Com o intuito principal de minimizar a exclusão sócio espacial explícita no local, que tal proposta será determinante na melhora das relações entre o bairro em estudo e seu entorno imediato.
Painéis do estudo de desenho urbano

Desenho urbano no bairro São José: Painel 1

Desenho urbano no bairro São José: Painel 2

Desenho urbano no bairro São José: Painel 3

Desenho urbano no bairro São José: Painel 4

Desenho urbano no bairro São José: Painel 5

Desenho urbano no bairro São José: Painel 5

Fonte:http://www.marcosuassuna.com/site/estudo-de-desenho-urbano-no-bairro-sao-jose/

Livro : A Lógica da Arquitetura

A LÓGICA DA ARQUITETURA
Projeto, Computação e Cognição
Autor: William J. Mitchell
Editora: Unicamp - Português - 2008
Dimensões: 28x21cm - 304 págs.
Capa: Brochura
Ref.: 11883
R$ 60,00

Logica da arquitetura

O livro propõe estabelecer uma nova fundamentação teórica e crítica para a arquitetura, baseada em conceitos provenientes das ciências cognitivas, da inteligência artificial e da lógica contemporânea. Também estabelece as bases teóricas do "computational design", com o objetivo de lastrear o desenvolvimento de uma nova geração de programas de computador destinados a auxiliar mais efetivamente o arquiteto. Assim como a lógica contemporânea se propôs a descrever o raciocínio por meio de linguagens simbólicas, como o cálculo de predicados de primeira ordem, Mitchell propõe um modo de representação do conhecimento arquitetônico que tem como objetivo descrever o raciocínio do arquiteto. O livro aborda os seguintes assuntos: representação, linguagens críticas, raciocínio projetual, vocabulários arquitetônicos, transformações geométricas, parametrização, gramática da forma, tipologias arquitetônicas, relação forma-função, geração de alternativas, evolução funcional, ambiguidade e emergência.

Fonte e maiores informações: http://www.prolivros.com.br/prod_detail5.asp?ref=11883

Califórnia quer todas as casas novas com eficiência energética até 2020

Em 2020 o estado da Califórnia espera que todos os seus novos projetos habitacionais sejam beneficiados dentro do conceito de consumo zero de energia. |Imagem: Modus V Studio Architects

California

Habitação sustentável vem em todas as formas e tamanhos, e em 2020 o estado da Califórnia espera que todos os seus novos projetos habitacionais sejam beneficiados dentro do conceito de consumo zero de energia.

Práticas sustentáveis incluem materiais, aquecimento e sistemas de refrigeração, captação de energia, reciclagem, técnicas de construção e muitos outros sistemas e tecnologias que estão se desenvolvendo diariamente.

Com tanta inovação contínua, a meta da Califórnia é fazer todas as novas habitações com eficiência energética. Enquanto muitos concordam que isso, de fato, é a abordagem mais responsável e inteligente para nosso crescente consumo energético, incorporadoras e construtoras estão divididas sobre os obstáculos potenciais financeiros que surgem a partir de tal objetivo.

California_01 California_02

Os grupos responsáveis ​​por estabelecer este objetivo no estado americano são a Comissão de Energia e a Comissão de Utilidades Públicas da Califórnia (PUC, sigla em inglês), que recebem autoridade para preparar tal objetivo sob o Ato de Soluções para o Aquecimento Global, mais conhecido como AB32, que exige que o Estado reduza suas emissões de gases de efeito estufa até 2020.

Jeanne Clinton, criadora do plano e gerente da filial da divisão de energia na PUC, disse que é importante tornar as metas conhecidas no mercado para se certificar de que todos estão fazendo sua parte. Panama Bartholomy, vice-diretor para a eficiência e energias renováveis ​​da Comissão de Energia, observa que esta estratégia de fazer construtoras de moradias e proprietários, individualmente responsáveis é mais econômica do que construir novas infraestruturas para acomodar as necessidades energéticas crescentes.

California_03

Para alcançar esse objetivo serão exigidos a cooperação entre várias agências que podem requerer mandatos federais e estaduais, incentivos, subsídios e financiamentos feitos pela agência de investigação.

A Comissão de Energia da Califórnia apresenta um novo conjunto de padrões a cada três anos, então, presumivelmente, em 2020, será determinado um mandato de consumo zero de energia. Ao longo dos próximos nove anos, construtores e compradores serão capazes de transitar entre as novas exigências e as despesas iniciais.

As construtoras também estão esperançosas de que até lá, os preços das casas terão baixado o suficiente para cobrir as despesas iniciais adicionais da construção de casas com eficiência energética. O que os empreiteiros estimam é um adicional de US$ 25 mil a US$ 50 mil. Com isto em mente, apesar da adaptação das casas já construídas ser mais difícil, casas novas têm a chance de reunir, no futuro, diretrizes de energia que prometem produzir tecnológica e esteticamente uma arquitetura inovadora em um futuro próximo. Com informações do ArchDaily.

Redação CicloVivo

Fonte:http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/3235/california_quer_todas_as_casas_novas_com_eficiencia_energetica_ate_2020/

Eólica cresce em progressão geométrica

Até 2020, 10% da energia distribuída no país será de fonte eólica, o que poderá reduzir custos dos insumos para a construção civil, com forte dependência de energia em seu processo produtivo.

Redação AECweb.

Eólica

Aos poucos, a energia eólica conquista espaço na construção civil com objetivo de reduzir os custos no consumo de energia dos edifícios comerciais e residenciais. Há exemplos – todos bem sucedidos - em várias partes do mundo, como em Bahrein, na Arábia Saudita, em Londres, em Porto Alegre ou na Praia Grande no Litoral Paulista. No Brasil, a empresa que tem atuado fortemente na instalação de equipamentos de micro geração de energia para o mercado residencial e comercial é a Energia Pura, responsável pela implantação do sistema de geração eólica no edifício Eolis, em Porto Alegre; na Câmara Municipal de São José, em Santa Catarina; no condomínio de 58 residências na Praia Grande, São Paulo; e na Mormaii, empresa localizada na cidade de Garopava, em Santa Catarina, a primeira fábrica brasileira a utilizar energia eólica.

Caio Martins, diretor comercial da Energia Pura, diz que a procura maior tem sido por empreendimentos comerciais e que a geração é sempre complementar e geralmente atende ao consumo das áreas comuns dos edifícios. Segundo ele a implantação não é complicada. Precisa de uma torre de aço galvanizado cuja altura depende da geografia do terreno, fundação, gerador complementar e cabeamento. Ronald Thomé, proprietário da Energia Pura, explica que o custo para instalar um equipamento de geração eólica num edifício de dez andares fica entre R$ 35 mil e R$ 40 mil. “Temos projetos para área rural e litorânea. No litoral fica um pouco mais caro porque as torres de sustentação recebem tratamento de galvanização a fogo, para evitar a corrosão provocada pela maresia”, explica.

Com esse investimento, afirma, é possível gerar 300 kWh/mês, podendo chegar até a 900 kWh/mês, suficiente para abastecer com folga o consumo das áreas comuns, toda área externa do edifício, da escadaria de incêndio e até elevador, se for pouco utilizado. Ele diz que este rendimento precisa levar em conta o tipo de uso em cada projeto e a implantação da iluminação com lâmpadas e equipamentos que consomem pouca energia. Segundo Martins, “estes dados são genéricos, apenas para dar uma idéia das vantagens de se optar pela energia eólica”, afirma.

Fonte e reportagem completa: http://www.aecweb.com.br/aec-news/materia/4248/eolica-cresce-em-progressao-geometrica.html

Koolhaas em São Paulo: 'agora, volto os olhos para o campo'

Arquiteto holandês veio ao Brasil para divulgar a exposição na Casa de Vidro, de Lina Bo Bardi, que deve ser aberta ao público em 2012


Por Bianca Antunes, da revista AU

Koolhaas

Rem Koolhaas

A cidade tão fortemente analisada por Rem Koolhaas deve agora passar um tempo de descanso. "É um clichê dizer que todos mudaram para as cidades. Hoje me interesso mais pelo campo, pelo que as pessoas deixaram para trás. É o que estou pesquisando agora", revelou Koolhaas no teatro do Sesc Pompeia, esta quinta-feira (25).

Koolhaas esteve em São Paulo para o lançamento da exposição na Casa de Vidro de Lina Bo Bardi, em São Paulo, que contará com obras de artistas e arquitetos internacionais - como o próprio Rem Koolhaas, Sanaa e Paulo Mendes da Rocha - muitas criadas especialmente para o espaço. A exposição acontece de setembro de 2012 a janeiro de 2013 - e isso é o que chamamos de planejamento holandês. A exposição terá curadoria de Hans Ulrich Obrist

Koolhaas fez uma palestra mostrando seu trajeto profissional - segundo ele, de "starving architect" (arquiteto com fome) até o star architect e, no futuro, o retired architect (o arquiteto aposentado). Nessa trajetória, falou da sorte que teve por começar sua carreira em uma Roterdã devastada pela guerra - e, por isso, com muita oportunidade de trabalho, poucos recursos e muita criatividade. "A pobreza é um ótimo ambiente para começar a carreira", pontuou.

A grande questão a ser levada em conta hoje, segundo o arquiteto de Nova York Delirante (1978), é como o crescimento da economia se refletiu na relação dos arquitetos - principalmente os 'star architects' - com seus contratantes, a maioria privados. "Nos tiraram o domínio do público", alega.

Esta não é a primeira vez que Koolhaas vem a São Paulo. O arquiteto já esteve na cidade em 2002, quando em meio às discussões do evento Arte/Cidade, propôs a instalação de um novo elevador no legendário São Vito, vizinho do Mercadão e demolido recentemente pela prefeitura paulistana. Perguntado pela plateia sobre qual sua opinião sobre São Paulo, Koolhaas disse que suas experiências e sensações mudam a cada dia. Mas que vê muitas semelhanças com cidades como Lagos, Jacarta e Manila.

E há quem alegue que o arquiteto está de olho no Brasil - o site de arquitetura Archdaily anunciou em reportagem sobre estrangeiros no Brasil que o OMA deve abrir seu escritório em solo brasileiro.

Fonte: http://www.piniweb.com.br/construcao/arquitetura/koolhaas-em-sao-paulo-agora-volto-os-olhos-para-o-227787-1.asp

II Congresso de Direito Urbano-Ambiental

   II congresso de direito ambiental                                                                                                                                                    Estão abertas as inscrições para o Congresso Comemorativo aos 10 anos do Estatuto da Cidade: II Congresso de Direito Urbano-Ambiental, a ser realizado de 5 a 7 de outubro de 2011, no Hotel Plaza São Rafael, em Porto Alegre.
A ESDM - Fundação Escola Superior de Direito Municipal, FMP - Fundação Escola Superior do Ministério Público do Rio Grande do Sul, Comissão de Direito Urbanístico da OAB/RS - Ordem dos Advogados do Brasil/ Seccional RS e a Procuradoria-Geral do Município de Porto Alegre, entidades realizadoras do Congresso, convidam os interessados a apresentarem a experiência da sua Cidade e serem protagonistas do Congresso:
Prazo para envio de papers: 5 de setembro de 2011
Prazo para inscrição de pôsters: 25 de setembro de 2011
As regras encontram-se no site: www.esdm.com.br

Temas:
1. Tutela do direito à paisagem urbana, patrimônio histórico, arquitetônico e cultural.
2. Gestão Democrática, direito ao Planejamento Urbano e Planos Diretores
3. Experiências de regularização fundiária com a lei 11.977/09
4. Política Urbana, Mudanças climáticas e Código Florestal
5. A ordem jurídico-urbanística e os megaeventos esportivos
6. O Judiciário diante da nova ordem jurídico-urbanística
7. A gestão urbano-ambiental na nova ordem jurídico-urbanistica
8. Planejamento urbano e acessibilidade
Apoio:
FAPERGS - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul
IBDU - Instituto Brasileiro de Direito Urbanístico
SINDUSCON/RS - Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado do Rio Grande do Sul
SECOVI/RS - Sindicato da Habitação do Rio Grande do Sul
AGADEMI - Associação Gaúcha de Empresas do Mercado Imobiliário
APMPA - Associação dos Procuradores do Município de Porto Alegre
ANPM - Associação Nacional dos Procuradores Municipais

Mais informações e inscrições:
www.esdm.com.br/estatutodacidade/index.asp?page=pages.asp&id=1

Homenagem aos 90 anos do IAB Nacional e aos 54 anos do IAB-CE

Em comemoração aos 90 anos do IAB Nacional e aos 54 anos do IAB-CE, a vereadora Eliana Gomes (PCdoB) prestará uma homenagem solene à entidade. A Celebração está prevista para as 15h do dia 2 de setembro no auditório da Câmara Municipal de Fortaleza. O homenageado será o arquiteto Ivan Brito, um dos fundadores do IAB-CE.

convite_54anos_iab%20(1)

Fundado em 1921, o Instituto de Arquitetos do Brasil Nacional completa, este ano, 90 anos de existência. Durante esses anos, o IAB foi protagonista de muitas conquistas obtidas pelos profissionais de arquitetura do país, entre eles o recém-criado Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU).
Evento: Solenidade em homenagem aos 90 anos do IAB Nacional e 54 anos do IAB dep. Ceará
Data: 2 de setembro de 2011, às 15h
Local: Auditório da Câmara Municipal de Fortaleza
Endereço : R. Dr. Thompson Bulcão, 830 – Bairro: Eng. Luciano Cavalcante

Ponte Helix: dupla estrutura de aço inoxidável em formato helicoidal

 

Ponte Helix

A Ponte Helix, planejada em 2006, com obras iniciadas em 2008, localiza-se em Marina Bay (baía Marina), na foz do rio Cingapura. Demorou 2 anos para ser concluída e teve duas datas de inauguração, uma parcial em abril de 2010 e o funcionamento total em junho do mesmo ano.

Marina Bay, em Cingapura, é um local de deleite aos olhos. O seu complexo abriga inúmeras atrações e construções que chamam a atenção por si só. Por esse motivo, não poderíamos esperar menos de sua ponte para pedestres: ela é a única no mundo, em sua arquitetura e engenharia, a usar uma estrutura de aço inoxidável em formato de dupla espiral, lembrando a estrutura de um DNA. Também vencedora da categoria “Melhor Edificação de Mobilidade Urbana do Mundo 2010” do prestigiado World Architecture Festival Awards (WAF Awards).

Fonte e matéria completa: http://metalica.com.br/ponte-helix-dupla-estrutura-de-aco-inoxidavel-em-formato-helicoidal?utm_source=EasyMailing&utm_medium=e-mail&utm_term=News31%3APonteHelix&utm_content=News31%3APonteHelix&utm_campaign=Padr%E3o

A nova cara da AsBEA Nacional

Asbea

Em uma reunião histórica realizada na última segunda-feira, dia 22 de agosto, na sede da AsBEA Nacional (São Paulo), o arquiteto Ronaldo Rezende - presidente da entidade-, reuniu os presidentes das AsBEA regionais para um encontro de alinhamento e para a apresentação formal do arquiteto Werner Albuquerque, presidente da nova AsBEA Amazonas, empossado, junto à sua diretoria, no dia  18 de agosto, em Manaus.

Além de Werner Albuquerque (Presidente da AsBEA AM), estiveram presentes os arquitetos Ronaldo Rezende (presidente da AsBEA Nacional), Dalton Vidotti (Vice Presidente das Regionais), Arthur Novaes (Presidente da AsBEA CE), Gustavo Pinto (Presidente da AsBEA PR), Joaquim Haas (Presidente da AsBEA RS) e Giovani Bonetti (Presidente da AsBEA SC).

Durante o encontro, foram abordadas questões de interesse mútuo, como o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), o aumento da importância da comunicação e do fluxo de informações entre a nacional e as regionais, e sobre os procedimentos de atuação das regionais nas áreas administrativa, de eventos e de ações de relação com órgãos públicos e entidades coirmãs, iniciativas de alinhamento fundamentais levando em conta a chegada de mais uma regional.

Além disso, estiveram em pauta assuntos que versaram sobre a criação de duas novas regionais, em Minas Gerais (AsBEA MG) e no Maranhão (AsBEA MA), que já estão em negociação junto à AsBEA Nacional. A meta é que, no final do presente mandato, a AsBEA Nacional conte com nove regionais, alcançando uma abrangência de atuação em todas as regiões do Brasil.

Além da sede em São Paulo, a AsBEA Nacional conta hoje com seis regionais, das quais três foram fundadas entre os anos de 2007 e 2011, o que só foi possível após a modificação do estatuto da entidade. O ritmo de abertura de novas regionais e a integração das mesmas com a nacional demonstram que o plano de nacionalização da entidade, idealizado em gestões passadas e consolidado nos últimos anos, vem obtendo sucesso e alcançando os objetivos propostos.

Fonte: http://www.asbea.org.br/escritorios-arquitetura/noticias/a-nova-cara-da-asbea-nacional-227421-1.asp

Iluminação põe em foco espaços públicos

A premiação anual da Associação Internacional de Lighting Designers (Iald) realizou este ano sua 28ª edição, contando com a participação de cerca de 200 concorrentes. Dois projetos urbanos - uma ponte e a urbanização de uma orla marítima - foram os grandes vencedores, tendo conquistado a pontuação máxima entre os outros quatro prêmios Excelência, os oito prêmios Mérito e as três menções especiais, listados em ordem decrescente da pontuação conferida pelo júri.

ponte-telekom-alemanha-2                                                                 Licht Kunst Licht, ponte Telekom, Bonn, Alemanha - Arquitetura SBP - Categoria estruturas monumentais e espaços públicos
Prêmio Radiance - Foto: Lukas Roth

O ganhador do prêmio Radiance, o maior conferido pela Associação Internacional de Lighting Designers, foi o projeto de iluminação da ponte de pedestres Telekom, na Alemanha, concebido pela empresa Licht Kunst Licht.

A ponte tem desenho curvo, extensão total de 74 metros, silhueta delgada - para o que colabora o uso de vidro nos guarda-corpos e no revestimento das torres laterais de acesso - e está suspensa sobre uma movimentada avenida da cidade de Bonn.

Ela interliga dois edifícios da empresa de telecomunicações que lhe dá nome, mas é aberta também ao uso público.

Dois pares de contrastes foram destacados pelo júri como méritos do trabalho: o da luminosidade intensa e difusa da ponte contra a iluminação rebaixada do entorno; e o da luz branca e homogênea em contraponto à iluminação pontual na cor magenta - a mesma da marca.

Fonte e matéria completa: http://www.arcoweb.com.br/lightning/premiacao-anual-associacao-internacional-lighting-designers-iald-19-08-2011.html

2ª edição do Fórum Urbanístico Internacional

Mobilidade, urbanismo e todas as novidades
que vão fazer o setor imobiliário continuar crescendo

Secovi_2011

A Convenção Secovi-SP traz uma série de inovações, incluindo a 2ª edição do Fórum Urbanístico Internacional, que acontece em parceria com o ITDP (Institute for Transportation and Development Policy). No evento, serão debatidos e apresentados modelos racionais de ocupação e inovação do sistema de transportes, experiências bem-sucedidas em outros países e alternativas para transformar o ambiente urbano, promover funcionalidade e qualidade de vida. É uma oportunidade única e você não pode perder! Confira algumas das principais palestras:

David Fields

Diretor da Nelson Nygard Consulting Associates, Nova Iorque (EUA) Palestra: O moderno planejamento orientado para o transporte coletivo e para as pessoas e estacionamento inteligente

David Sim

Arquiteto, Professor, Diretor do escritório da Gehl Architects, Copenhague (Dinamarca) Palestra: Vida, Trabalho e Lazer Cidades com Escala Humana

Daniel Hernandez

Diretor de Planejamento da Jonathan Rose Companies, Nova Iorque (EUA) Palestra: Parcerias Público-Privadas (PPPs) como instrumento de renovação urbana e mobilidade

Manuel Oliveira

Diretor do Clinton Climate Initiative, Bogotá (Colômbia) Palestra: Ciclistas, Pedestres e Transporte Coletivo - A Experiência em Bogotá

Fonte e maiores informações: http://www.secovi.com.br/noticias/forum-urbanistico-internacional-debate-mobilidade-e-ocupacao-urbana/3612/

MEC – processo seletivo para arquiteto

O Ministério da Educação (MEC) lançou processo seletivo para preencher 164 vagas de nível superior nas áreas de Informática e Engenharia ou Arquitetura. De acordo com o edital de abertura, os salários iniciais vão de R$ 3,8 mil a R$ 8,3 mil, dependendo do cargo escolhido pelo candidato. A banca responsável pela organização do certame e pela elaboração das provas é o Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília (Cespe/UnB).
Os candidatos aprovados vão atuar no próprio ministério e também no Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquias do órgão.

Cargos
A seleção oferece oportunidades nos cargos de gerente de projetos, analista de processos, arquiteto de sistema, gerente de suporte, gerente de telecomunicações, gerente de segurança, administrador de banco de dados, analista de teste e qualidade, analista de sistemas, administrador de dados, administrador de rede, analista de sistema operacional, engenheiro civil e web designer.


Inscrições
Os interessados em participar devem se inscrever entre os dias 29 de agosto e 12 de setembro, por meio do endereço www.cespe.unb.br/concursos/mec2011. O custo da taxa de inscrição varia entre R$ 80 e R$ 100.


Avaliações
Todos os candidatos serão submetidos a provas objetivas, aplicadas na data provável de 16 de outubro na cidade de Brasília.

Fonte:http://www.pernambuco.com/ultimas/nota.asp?materia=20110824143716&assunto=25&onde=Economia

Maiores informações:

http://www.cespe.unb.br/concursos/mec2011/

Lighting Week Brasil - 2011

Lighting Week Brasil 2011 -  2ª Feira Internacional de Iluminação Profissional


Lighting_2011
A Lighting Week acontece entre 20 e 23 de setembro reunindo novidades em produtos e tecnologias para iluminação e som, além de discutir as tendências do setor.
Organizado pela Associação Brasileira de Iluminação Profissional (Abrip), a feira é o maior evento do gênero na América Latina e reunirá mais de 50 marcas, para um público estimado em quatro mil visitantes.
Serviço:
- Lighting Week Brasil 2011 - 2ª Feira Internacional de Iluminação Profissional.
- De 20 a 23 de setembro.
- Das 13h às 21h.
- Expo Barra Funda - Avenida Francisco Matarazzo, 774/814 Barra Funda - São Paulo.
- Tel.: 11.3868.5858.

Maiores informações: http://www.lwbr.com.br/index.asp

Aos 103 anos , Oscar Niemeyer lança livro no Rio de Janeiro

Oscar_livro

Arquiteto lançou 'As Igrejas de Oscar Niemeyer', além da décima edição da revista 'Nosso Caminho'
Foto: André Muzell/AgNews

A poucos meses de completar 104 anos de idade, o arquiteto Oscar Niemeyer lançou nesta terça-feira (23) seu novo livro, As Igrejas de Oscar Niemeyer, que traz plantas e fotos dos principais projetos do gênero nos quais ele se envolveu. O evento ocorreu na Galeria Anna Maria Niemeyer, no Shopping da Gávea, localizado na zona sul do Rio de Janeiro.

Além do trabalho, Niemeyer lançou a décima edição da revista Nosso Caminho, publicação voltada para a arquitetura que criou no ano de 2008.

Um dos mais renomados profissionais da área, Niemeyer foi o responsável pelos projetos de todos os edifícios governamentais de Brasília, trabalhou na construção da sede das Nações Unidas em Nova York, desenhou a planta do Memorial da América Latina, além de ter se envolvido em outros inúmeros projetos pelo mundo.

Fonte: http://diversao.terra.com.br/arteecultura/noticias/0,,OI5310046-EI3615,00-Aos+Oscar+Niemeyer+lanca+livro+no+Rio+de+Janeiro.html

Lançamento do Livro Espaços Multi Uso de Oriode Rossi no IAB-SP

LIVRO%~1 

Serviço: Sede do IAB/SP

               Livraria Bookstore

               25 de agosto de 2011, a partir das 18h00

Porto Alegre ganha primeiro Plano Diretor de Acessibilidade do País

Após dois anos de debates, projeto de lei foi sancionado ontem pelo prefeito José Fortunati

Deivison Ávila

Acessibilidade

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca 24,6 milhões de pessoas se declararam portadoras de alguma deficiência – percentual que representa 14,5% da população total do País.

Aproximadamente 19,8 milhões se encontravam na zona urbana e 4,8 milhões no campo, de acordo com dados do Censo de 2000. Com o passar dos anos, algumas cidades se adequaram à acessibilidade, e outras estão em fase de reformulação da estrutura física e formatação de políticas para facilitar a vida dessas pessoas.

O prefeito José Fortunati sancionou ontem projeto aprovado por unanimidade na Câmara Municipal, criando o Plano Diretor de Acessibilidade. Foram dois anos de debates com entidades civis envolvidas com a causa, mais o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Rio Grande do Sul (Sinduscon-RS), o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do Estado (Crea-RS) e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pucrs, que elaborou um diagnóstico dos espaços físicos e públicos de uso coletivo na Capital. O ato de sanção da lei integrou a 14ª Semana Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência, aberta no domingo.

A partir da sanção do Plano Diretor de Acessibilidade, Porto Alegre se torna a primeira cidade do País a contar com tal planejamento. Entre os principais itens que integram o programa está o direito de ir e vir para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, a promoção da transversalidade das informações sobre acessibilidade na cidade, a identificação das necessidades de adequações das áreas nos novos projetos e as intervenções de médio e longo prazo.

Fortunati lembrou que as cidades, de uma forma geral, não estão preparadas para atender às pessoas que não se enquadram no padrão definido pelo mercado, como obesos, anões, portadores de deficiência motora, entre outros. “Falta preparo para atender às diversidades humanas, e cabe ao Executivo desenvolver planos que auxiliem as pessoas portadoras de alguma deficiência”, explica o prefeito. Ele destacou que a cidade já indica alguns pontos facilitadores para o acesso em Porto Alegre, como a obrigatoriedade dos novos ônibus em contar com o sistema para cadeirantes. “Temos muito o que evoluir, mas algumas ações já são perceptíveis pela comunidade”, lembra.

O presidente do Conselho dos Deficientes de Porto Alegre (Condepa), Dilceu Flores Júnior, salienta a importância do Plano Diretor e os avanços que os deficientes vêm conquistando com o passar dos anos. “O nosso sonho é viver em uma cidade 100% acessível, onde possamos contar com intérpretes de libra, informações em braile, calçadas sem desníveis, rampas de acesso para cadeirantes e tudo mais que envolva o contexto da acessibilidade”, projeta o presidente do Condepa.

A Secretaria Especial de Acessibilidade e Inclusão Social (Seacis), outro passo importante para o desenvolvimento da acessibilidade na Capital, auxilia na elaboração de políticas públicas para facilitar a vida dessas pessoas, que, de acordo com o titular da pasta, Paulo Brum, chegam a 200 mil em Porto Alegre. “A participação de diversas secretarias na construção e na aprovação do Plano Diretor de Acessibilidade mostra a preocupação de todos do Executivo e do Legislativo com a causa. A partir de agora é aguardar o prazo de 60 dias para a criação da Comissão Técnica de Acessibilidade, que visa a definir as rotas acessíveis (vias que não contam com barreiras para a locomoção das pessoas)”, conta Brum.

Durante o encontro, Fortunati antecipou o lançamento do programa Calçada Segura, que será feito nos próximos dias. O projeto, feito em parceria com algumas secretarias municipais, além do Ministério Público do Estado, prevê o acesso universal a todos. “Faremos um levantamento a partir de um diagnóstico das condições das calçadas, e, em um segundo momento, os proprietários serão notificados. Caso o espaço persista sem reformas, aí sim partiremos para a autuação”, conclui Fortunati.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=70887

Ministério da Cultura aprova projeto de restauro do edifício do IAB/SP

Tombado pelo Iphan, projeto assinado por Rino Levi e mais sete arquitetos sofrerá intervenções na fachada e instalações


Mauricio Lima

 

IAB_SP

Edifício na Vila Buarque foi inaugurado em 1947

O Ministério da Cultura aprovou o projeto de restauro da sede do departamento paulista do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB/SP), de autoria dos arquitetos Rino Levi, Jacob Ruchti, Galiano Ciampaglia, Helio Duarte, Zenon Lotufo, Abelardo de Souza, Roberto Cerqueira Cezar e Miguel Forte Neto, inaugurado em 1947. O projeto é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan)
O projeto de restauro já havia sido aprovado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp), pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat) e pelo Iphan. De acordo com o arquiteto Rafael Schimidt, coordenador do grupo de restauro, o prédio nunca passou por um processo de revitalização completo. "Há necessidade de restaurar, por exemplo, a fachada, além de impermeabilizar algumas áreas do edifício", diz.

O edifício é tombado em cinco pontos: fachadas, volumetria, áreas comuns, obras de arte e bens incorporados. Segundo o arquiteto, o restauro irá contemplar todos esses fatores. Além disso, o prédio deverá ganhar também um novo sistema de elétrica e hidráulica. "O restauro da marquise deverá ser a primeira intervenção, pois é emergencial", disse Schimidt.
Juntamente com o restauro das partes tombadas, haverá uma readequação do espaço físico do edifício. O elevador será reformado e passará a atender todos os andares. Já o auditório do subsolo será refeito. O primeiro pavimento ganhará uma grande sala de exposições, enquanto o mezanino terá uma biblioteca do IAB e trabalhos de arquitetos.
O processo de aprovação para as obras de restauro durou aproximadamente quatro anos. Agora, o IAB/SP busca captar recursos com o benefício da Lei Rouanet de incentivo à cultura para dar início às obras. Segundo o arquiteto, o instituto já conta com um plano de orçamento para as intervenções e com parceiros que irão ajudar na reforma do edifício.

Fonte: http://www.piniweb.com.br/construcao/arquitetura/ministerio-da-cultura-aprova-projeto-de-restauro-do-edificio-do-227162-1.asp

IAB-MG apresenta os finalistas da premiação Viva o Mercado

ATA FINAL DE JULGAMENTO DA PREMIAÇÃO VIVA O MERCADO
Aos 17 e 18 de agosto de 2010, se reuniu no salão principal da sede do IAB-MG a Comissão Julgadora da premiação “Viva o Mercado”, composta pelos arquitetos:

André Veloso da Silva – Diretor de Valorização Profissional do SINARQ-MG;                 Carlos Henrique Affonseca – Professor Universitário;
Demetre Anastassakis – Presidente da Direção Nacional do IAB (2004-2006);
Ulisses Morato de Andrade – Diretor de Projetos Especiais do IAB-MG.


Os jurados procederam à abertura dos 07 envelopes contendo os trabalhos inscritos, sem identificação de autores e numerados de 01 a 07. Após a abertura, realizaram as análises pertinentes e os debates de avaliação. Os envelopes com a identificação das equipes ficaram em poder da Secretaria do IAB-MG até a seleção final dos trabalhos, permanecendo em sigilo a identidade dos participantes inscritos durante o processo de julgamento.

Das deliberações iniciais da Comissão Julgadora.

Considerando o item 9.2 do edital da premiação, que previa a seleção de 10 projetos iniciais para posterior encaminhamento a júri popular, e que o número dos projetos inscritos não atingiu número suficiente para esta seleção, a Comissão Julgadora, decidiu:

- Examinar todos os projetos e selecionar para a etapa de julgamento público, 3 (três) propostas para apreciação de júri popular, a se realizar em evento público no Mercado do Cruzeiro, no dia 27 de agosto de 2011, denominado Viva o Mercado! Nesta oportunidade, segundo o edital, os proponentes, devidamente comunicados, apresentarão seus projetos para apreciação dos moradores do bairro Cruzeiro e entorno e mais especificamente da ACOMEC – Associação dos Comerciantes do Mercado do Cruzeiro e AMOREIRO – Associação dos Cidadãos do Bairro Cruzeiro.

Dos projetos examinados e selecionados.

A seguir, apresenta-se o resumo dos julgamentos dos projetos examinados de acordo com os critérios estabelecidos no Edital. Importante informar que a Comissão Julgadora decidiu selecionar as proposições que, na equação final de projeto, mais se aproximaram das diretrizes estabelecidas no edital da Premiação. Foram selecionados os projetos de número 01, 03 e 06, por terem sido considerados, ao mesmo tempo, coesos e dentro do espírito da proposição da premiação.

Projeto número 01: A comissão julgadora avaliou que o ponto forte deste projeto consiste na proposição de uma nova edificação longitudinal ao terreno que oferece usos para garantir sua sustentabilidade econômica, e ao mesmo tempo, aproveita o talude que percorre o todo o terreno do Mercado do Cruzeiro lindeiro à Universidade FUMEC e ao Parque Amilcar Vianna Martins. A volumetria deste novo prédio se harmoniza à paisagem local e preserva satisfatoriamente os grandes vazios urbanos existentes ao redor do Mercado. As intervenções resolvem o programa de necessidades respeitando as principais visadas e se adéquam à escala do entorno e à paisagem urbana.
O projeto oferece alternativas de exploração econômica para o Mercado, cria um oásis verde com a proposição de uma praça pública no nível do mesmo, propõe a manutenção do prédio, liberando parte da fachada e resgatando a concepção original do mesmo. O projeto é propositivo com relação ao entorno ao apontar a requalificação de alguns espaços da Vila vizinha. Entretanto, a integração do projeto com o parque Amilcar Vianna Martins e o Mercado é parcial, criando uma ruptura na continuidade espacial de suas áreas ao verticalizar parcialmente a edificação proposta no ponto de acesso à Rua Ouro Fino.
A linguagem arquitetônica é ponto marcante no projeto trazendo uma rica movimentação de elementos de circulação vertical e horizontal propiciando uma dinâmica ao conjunto proposto. No quesito estacionamento, item impactante e importante de ser solucionado nas proposições, o projeto atende ao estabelecido no edital e resolve a contento.

Projeto número 03: A comissão julgadora considerou que a organização espacial das intervenções são positivamente racionais, ou seja, oferecem clareza de leitura e funcionalidade aos seus usos. Por outro lado, os membros da comissão apontaram um excesso na altura do novo edifício em relação ao entorno. Este edifício aproveita o talude lateral existente entre a FUMEC e o Mercado com uma única edificação, liberando a visada do Parque Amilcar Vianna Martins. Quanto ao Mercado, propriamente dito, o projeto preserva a sua configuração original. A proposta não interfere diretamente no parque, resolve bem o estacionamento e dota o projeto de uma proposta logística com boa resolução de fluxos. Em termos de viabilidade financeira, a nova torre e as lojas no subsolo são soluções interessantes para permitir a sustentabilidade econômica do Mercado, possibilitando, ao mesmo tempo, a continuidade das funções hoje existentes. Pondera-se, entretanto, que as lojas âncoras propostas para o subsolo podem  instesificar, de maneira constante, o fluxo de veículos na região. Em termos de atendimento à demanda pela criação de novas vagas de estacionamento, o projeto atende a contento. A circulação vertical é outro item positivo na solução de projeto já que foi resolvida utilizando a estrutura da Caixa d’água existente como elemento de ligação entre a Praça do Mercado, o novo conjunto arquitetônico e o parque Amilcar Vianna Martins.

Projeto número 06: Este projeto propõe um conjunto composto por rampas de circulação, praças e mirantes que “abraçam” o Mercado, oferecendo uma estrutura plástica bem resolvida, com uma rica ambientação de espaços para os usuários. A flexibilidade de usos dos espaços propostos foi considerada como ponto relevante, pois, potencializa a instalação de variados eventos em seu complexo. As novas estruturas de uso se articulam de maneira amigável ao edifício do Mercado embora este tenha seu invólucro modificado. A comissão julgadora entende que o fechamento da Rua Opala limita o fluxo de circulação no bairro gerando entraves de circulação de pessoas e veículos no entorno. Além de resolver bem a demanda por vagas de estacionamento, a proposta melhora a articulação do Mercado com a Universidade e o parque Amílcar Vianna Martins.

Da identificação das equipes selecionadas.

Após a seleção dos 03 melhores trabalhos, a Secretaria do IAB-MG apresentou à comissão julgadora os envelopes numerados e lacrados contendo a identificação das equipes de projeto. Feita a abertura, seguiu-se a seguinte identificação de autoria dos trabalhos premiados:

Projeto nº 01: João Antônio Valle Diniz e equipe: José Luiz Baccarini Neto, Pedro de Carvalho Guadalupe e Marcílio Gazzinelli (fotógrafo).

Imagens do projeto nº 01:

01 01_a

 

Projeto nº 03: André Luiz Prado e equipe: Alexandre Brasil, Bruno Santa Cecília, Carlos Alberto Maciel e Paula Zasnicoff.


Imagens do projeto nº 03:

03 03_a

Projeto nº 06: Francisco Albano Andrade e equipe: Gian Paolo Lorenzetti e Rodrigo Ferreira Andrade.


Imagens do projeto nº 06:

06 06_a

Belo Horizonte, 19 de agosto de 2011.
André Veloso da Silva
Carlos Henrique Affonseca
Demetre Anastassakis
Ulisses Morato de Andrade

Postado em 22/08/2011:  http://iab-mg.blogspot.com/2011/08/iab-mg-apresenta-os-finalistas-da.html

Arquitetura bioclimática aplica sustentabilidade a construções de baixo custo

CDHU_11
O conceito de arquitetura bioclimática busca minimizar os impactos da construção civil no meio ambiente. Através do estudo das condições climáticas locais, os projetos são pensados para oferecer conforto térmico em todas as estações do ano.
“A arquitetura é uma atividade da construção civil que é conhecida como a atividade dos 40, por consumir 40% dos recursos, por emitir 40% dos gases poluentes e por consumir 40% da energia que a gente produz”, explica o arquiteto especializado em bioclimatismo, Giuliano Pelaio, acrescentando que este é um número do qual ele não quer fazer parte.
Através de um projeto bem elaborado, de acordo com as necessidades do morador e das condições locais, é possível minimizar esses percentuais e também oferecer maior qualidade de vida a quem irá habitar o empreendimento.
Pelaio explica que “a arquitetura bioclimática está muito ligada a três grandes fatores: tem que ser capaz de gerar, acumular e transmitir o calor no inverno e o frescor no verão”. Além disso, essas construções precisam considerar a otimização de recursos e materiais, a diminuição do consumo energético e ser uma estrutura com baixos índices de manutenção durante a sua vida útil.
Ao contrário das certificações, que normalmente elevam os custos das construções, a arquitetura bioclimática pode ser aplicada em construções de todos os padrões, sem custos adicionais. “De 80% a 90% da sustentabilidade de uma edificação provém de decisões de projeto, que não custam mais nada”, explica o arquiteto, que ainda não concorda totalmente com as certificações, por não haver nenhum selo que leve em consideração a realidade climática brasileira em sua totalidade.
O projeto de casas de baixo padrão criado pelo escritório 24.7 Arquitetura, do qual Pelaio é sócio, para o concurso da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano), prova que é possível construir de maneira sustentável e econômica.
No projeto as casas são pensadas considerando todos os conceitos do bioclimatismo, aliado também ao design contemporâneo e particularidades que permitem a personalização das casas, fato inovador no que diz respeito às casas populares. “O intuito é permitir que as casas tenham a identidade dos moradores. Isto é diversidade de tipologia e eleva a qualidade das habitações”, explica o arquiteto.
As residências serão equipadas com placas solares usadas para o aquecimento de água, que é uma tecnologia muito eficiente e economicamente viável. Outro diferencial é a aplicação de telhados verdes, que colaboram para o conforto térmico, juntamente com outras questões estruturais que permitem melhor circulação do ar.
O escritório 24.7 Arquitetura é o responsável pelo desenvolvimento de um bairro sustentável na cidade de Campo Mourão, no Paraná. A proposta é criar um modelo de cidade compacta, com mescla de usos e atividades. Assim, os moradores poderão contar com toda a infraestrutura necessária para satisfazerem suas necessidades. Até as ruas foram planejadas para facilitar a locomoção das pessoas e principalmente incentivar o uso das ciclovias.
O projeto de Campo Mourão faz parte do programa “Minha Casa, Minha Vida”, por isso as residências serão comercializadas com valor médio de R$ 100 mil. Isso mostra que é possível produzir com qualidade e com um preço acessível, levando em conta a responsabilidade social.
Segundo Pelaio, o exemplo de Campo Mourão foi pensado para uma realidade específica, mas o seu conceito pode ser replicado em qualquer lugar do mundo.
Por Thaís Teisen - Redação CicloVivo

Especialistas destacam importância de certificações para melhorar o desempenho ambiental dos edifícios

Com investimento pequeno, Tecnisa adapta empreendimento de acordo com os critérios do Procel Edifica e gera economia nos gastos com energia elétrica e água


Ana Paula Rocha

Procel

Especialistas destacaram a importância do uso de certificações e etiquetagens para melhorar o desempenho dos edifícios durante o seminário Avaliação Ambiental de Edifícios, realizado pela Comissão do Meio Ambiente (CMA) no dia 11 de agosto, em São Paulo. O evento fez parte da programação do 83° Encontro Nacional da Indústria de Construção.

"Os sistemas de classificação, certificação e etiquetagem estão se tornando ferramentas muito importantes para o setor da construção e estão se aproximando cada vez mais da direção que é dada pelas políticas públicas", afirma Vanessa Gomes, professora doutora da Unicamp. Para ela, com essas metodologias de avaliação, é possível posicionar o projeto em relação a níveis de referência e a verificar o que pode ser melhorado.

Apesar dos avanços obtidos, na visão da professora ainda é necessário desenvolver dois pontos nesses sistemas: o desempenho relativo a edifícios similares na região, possibilitando avaliar a eficiência do novo projeto em relação à prática antiga, e a criação de resultados absolutos, para comparar o edifício internacionalmente. "O sonho dos profissionais de projeto é entender quais são os requisitos de desempenho que devem ser atingidos segundo regra nacional e uma regra aplicada aos diferentes países", acredita.

Para Jean Benevides, Gerente Nacional de Meio Ambiente da Caixa Econômica Federal, a adoção desses sistemas de certificação no Brasil beneficiam principalmente o cliente. "Instrumentos como o Selo Azul da Caixa e o Procel Edifica são simples e eficazes para atestar a qualidade e diferenciais de sustentabilidade em empreendimentos para o cliente, que pode avaliar melhor o produto", disse.

Case Tecnisa
Para testar o nível de desempenho energético em suas edificações e a viabilidade do uso do Procel, a Tecnisa, por meio do Labee (Laboratório de Eficiência Energética em Edificações), avaliou cinco projetos de empreendimentos de acordo com os critérios da etiqueta. Na linha econômica, destinada a famílias na faixa de dez salários mínimos do programa Minha Casa, Minha Vida, os projetos alcançaram apenas o nível D da etiquetagem, principalmente porque tinham aquecimento de água com chuveiro elétrico e não possuíam medição individualizada de água e isolamento térmico de cobertura.

"Fizemos então um levantamento para ver quanto custaria elevar o desempenho energético de um empreendimento popular em Guarulhos, em São Paulo, conforme o Procel Edifica. No aquecimento de água, decidimos adotar aquecedores a gás nível A no Procel. Investimos também na medição individualizada e em uma subcobertura de alumínio para diminuir a transmitância da envoltória", explica Mauricio Bernardes, gerente de desenvolvimento tecnológico da construtora. O investimento nas mudanças, de acordo com o engenheiro, representou 1,3% do custo total da obra e, com elas, a edificação passou para o nível B.

Segundo a Tecnisa, o nível A não foi alcançado devido às restrições na iluminação e ventilação naturais. "A tipologia que é hoje empregada com janela três folhas teria que ser alterada para uma janela integrada com persiana e duas folhas de vidro e os vão teriam que aumentar para 1,80 m por 1,40 m, sendo necessário também reforçar alguns pontos da alvenaria, o que encareceria demais a obra, não se tornando viável nesse empreendimento", afirma.

A construtora ainda fez uma pesquisa qualitativa, não científica, para saber a visão do cliente sobre as mudanças feitas no empreendimento para alcançar a etiqueta. Dos compradores, 40% conheciam o que era o Procel no momento da aquisição do apartamento. Desse percentual, 62% se disseram influenciados positivamente na hora da compra e 65% disseram que aceitariam pagar até 5% a mais em um produto que possibilitasse a economia de gás e água. A estimativa da empresa é de que o retorno do investimento com as melhorias seja compensado em três anos e meio com a economia propiciada.

Fonte:http://www.piniweb.com.br/construcao/sustentabilidade/especialistas-destacam-importancia-de-certificacoes-para-melhorar-o-desempenho-ambiental-226819-1.asp

Prêmio Odebrecht para o Desenvolvimento Sustentável abre inscrições

Concurso para estudantes propõe a criação de projetos com critérios de sustentabilidade econômica, responsabilidade ambiental e inclusão social


Mauricio Lima

Odebrecht

Estão abertas as inscrições para a quarta edição do Prêmio Odebrecht para o Desenvolvimento Sustentável, destinado a estudantes universitários de qualquer área, desde que um dos integrantes do grupo esteja matriculado em curso de engenharia, agronomia ou arquitetura. O concurso nacional propõe o desenvolvimento de projetos inéditos, viáveis e que visem a sustentabilidade econômica, a responsabilidade ambiental e a inclusão social.

Os autores e orientadores dos cinco melhores trabalhos serão premiados com R$ 20 mil cada. A universidade receberá o mesmo valor em prêmios ou em patrocínio de bolsa de estudos. Além disso, os projetos vencedores serão publicados em um livro comemorativo.

As inscrições ficam abertas até 10 de outubro e devem ser realizadas pelo site do prêmio. O resultado será divulgado na segunda quinzena de dezembro.

Na edição passada, foram premiados projetos dos Estados do Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo. O Prêmio Odebrecht para o Desenvolvimento Sustentável ainda é realizado em Angola, Panamá, Peru, República Dominicana e Venezuela.

Fonte:http://www.piniweb.com.br/construcao/carreira-exercicio-profissional-entidades/premio-odebrecht-para-o-desenvolvimento-sustentavel-abre-inscricoes-226783-1.asp

Livro – Introdução à ventilação natural

3ª Edição Revisada
INTRODUÇÃO À VENTILAÇÃO NATURAL
Autor: Leonardo Bittencourt / Christina Cândido
Editora: Edufal - Português - 2008
Dimensões: 17x25cm - 173 págs.
Capa: Brochura
Ref.: 12117
R$ 35,00

Ventilação natural
A ventilação é apontada, freqüentemente, como a estratégia bioclimática mais eficiente para a obtenção de conforto térmico nos espaços urbanos e arquitetônicos. Além disso, o alcance social dessa estratégia é indiscutível. Essa publicação destina-se, principalmente, a arquitetos e estudantes de arquitetura. Foi elaborada tendo em vista sua utilização prática na elaboração de projetos arquitetônicos.

Fonte e maiores informações: http://www.prolivros.com.br/prod_detail5.asp?ref=12117

Conexões da cultura popular e arquitetura

Yuno Silva
repórter


"Temos a mania de querer copiar tudo que vem de fora, sem dar o devido valor ao que é nosso", afirma o arquiteto potiguar Carlos Lira. Radicado há cinco décadas no Recife, Lira sabe o que diz e fala com propriedade sobre o esfacelamento da identidade cultural nordestina. Suas opiniões podem até soar polêmicas, mas estão dentro de um contexto que comunga com o bom senso de quem pesquisa muito as tradições antes de conceber um novo projeto. Convidado para ministrar a palestra "Arte Popular e Arquitetura" na próxima segunda-feira (22), às 19h30, no Teatro de Cultura Popular TCP, Carlos Augusto Viana Lira, 63, virá à Natal compartilhar sua experiência como principal responsável pelas intervenções urbanas vistas no Carnaval Multicultural da capital pernambucana desde 2001.

Cultura e arquitetura

Intervenções carnavalescas trazem nos adereços a pesquisa histórica da obra do homenageado/ Foto: Lia Lubambo

A palestra de Carlos Lira está inserida no projeto "Arte Potiguar no Mundo". Como 22 de agosto é o Dia Mundial do Folclore, uma série de eventos ilustram a data, e entre os destaques figuram a a abertura da exposição (de objetos) "Diálogos entre Palatnik e Inácio Lino", na Galeria de Arte Antiga e Contemporânea do Centro de Turismo, Petrópolis; e o início da Semana Veríssimo de Melo, em cartaz de segunda a sexta-feira (de 22 a 26) no Sesc Centro, Cidade Alta.

Papai Noel x Pastoril
Além do Carnaval recifense, Carlos Lira também é responsável pela concepção visual da Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte), e uma das principais características de seu trabalho são as referências culturais. "Decoração e ambientação é totalmente diferente de arquitetura de interiores. O que faço no Carnaval Multicultural do Recife não é nenhum nem outro, trata-se de intervenção urbana, um trabalho respaldado por pesquisas e pelo cuidado com o patrimônio histórico. Há um conceito, as pessoas precisam reconhecer quem está sendo homenageado, tem que haver respeito pela cidade e envolve o coletivo", esclarece.
Para ele, o período natalino é um bom exemplo de como as coisas estão desfiguradas: "Como é que não desconfiamos daquele Papai Noel de bochechas rosadas, da neve, dos sinos, das renas... não tem nada a ver conosco. A mídia manipula a opinião pública de acordo com seu interesse, e cria um cenário de grande perigo para a manutenção de nossa identidade. É difícil ter volta", lamenta Lira.
"Nosso Natal tem a ver com o Reisado, o Pastoril e o Boi de Reis. Lembro que quando morava em Natal, havia uma disputa saudável para saber qual o cordão do Pastoril era o mais bonito, se o vermelho ou o azul", recorda. Antigo morador da rua Jundiaí, estudou no internato do Colégio Marista, foi colega de Agnelo Alves, e lembra que parte do bairro Petrópolis já se chamou Cirolândia.

Popular x Erudito
O arquiteto considera como grande objetivo do seu trabalho promover um "diálogo entre o popular e o erudito": "As pessoas tendem a valorizar mais o erudito e a desconhecer a importância de se preservar a arte popular", adianta o arquiteto já entrando no assunto de sua palestra. "Não acredito que seja por preconceito, mas acho que o arquiteto tem a função de mostrar o valor dessas duas linguagens", acredita.
Carlos Lira citou o exemplo de um restaurante natalense que promove esse "diálogo" de maneira muito equilibrada. "No projeto, o arquiteto colocou um lindo lustre no teto feito com cabaças. Ou seja, a cultura popular está ali de maneira muito bem resolvida. Ele fez uma coisa correta, arrojada, mas com características da terra dele", opina.

Carnaval e pesquisa
Carlos Lira lembra que quando recebeu o convite, em 2001, para conceber as intervenções no Carnaval do Recife, o primeiro impulso foi não aceitar pelo curto espaço de tempo disponível. "Apesar da tarefa desafiadora, aceitei pelo fato do Carnaval estar intimamente ligado à cultura brasileira. No primeiro ano, tudo foi feito a partir de reciclagem, já que o tempo era curto, mas eu jamais faria intervenções no período natalino", garante. Nesses dez anos à frente da folia de momo em Pernambuco, já prestou homenagens a personalidades como Dona Santa, considerada a Rainha do Maracatu, Capiba e Ariano Suassuna, dentre outros.
"Quando trabalhamos sobre Ariano Suassuna, uma das referências para nossa cenografia foi o Auto da Compadecida e seu realismo fantástico", exemplifica sem revelar quais serão os dois homenageados em 2012. "É uma decisão coletiva entre meu arquitetos e a Prefeitura de Recife, e ainda está em estudo".
Lira nasceu em Natal depois que seu pai, que era médico, foi transferido para a capital potiguar durante a Segunda Guerra Mundial. Logo que seus pais foram moram no Recife, quando ele tinha apenas 12 anos, quis continuar em Natal: "Eles permitiram que eu ficasse interno no Colégio Marista. Mas depois de seis meses, acabei indo para Recife morar com a família".

Programação
Programação do Dia Mundial do Folclore, dia 22 de agosto (segunda)


Eventos
. Seminário "Viva Vivi" - Semana Veríssimo de Melo, das 9h às 12h, no Sesc Centro - Cidade Alta;
. Palestra "Arte Popular e Arquitetura", com o arquiteto Carlos Augusto Lira, às 19h30, no Teatro de Cultura Popular Chico Daniel (TCP/FJA) - Tirol;  
. 15º Encontro de Cultura Popular com apresentações dos grupos Boi de Reis de Baile e Maneiro de Pau; e I Circuito Brincantes do Brasil com presença dos Congos do Piauí. A partir das 19h, no Palácio Potengi - Cidade Alta.
Exposições
. "Diálogos entre Palatnik e Inácio Lino" (objetos), abertura às 9h, na Galeria de Arte Antiga e Contemporânea do Centro de Turismo - Petrópolis;
. "Marias de Anchieta" (fotografia), das 8h às 17h, no TCP/FJA - Tirol;
. "Vida e obra de Veríssimo de Melo", das 9h às 17h, na galeria da Fundação Capitania das Artes - Ribeira;
. "As Cores do Folclore", das 9h às 17h, com acervo de Daliana Cascudo e Gutenberg Costa, na Fundação José Augusto - Tirol.

Fonte:http://tribunadonorte.com.br/noticia/conexoes-da-cultura-popular-e-arquitetura/192960

Inglês vence projeto do Parque Olímpico do Rio

O projeto do escritório Aecom assinado pelo inglês Adam William Bill Hanway, 34, foi anunciado nesta sexta-feira como vencedor do concurso internacional do Parque Olímpico dos Jogos de 2016.

Rio_01

A disputa reuniu 60 trabalhos de escritórios de 18 países. O vencedor receberá R$ 100 mil. O custo da obra ainda não foi definido. A prefeitura deverá anunciar até o final do ano o valor da empreitada.

O concurso foi realizado pela Prefeitura do Rio junto com o IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil).

O Parque Olímpico será erguido na área do autódromo de Jacarepaguá e vai abrigar disputas de 15 modalidades olímpicas e 11 paraolímpicas em 2016. O parque receberá também o centro de imprensa da Olimpíada, onde cerca de 20 mil jornalistas vão trabalhar durante o evento.

O escritório é o mesmo que fez o plano principal do parque olímpico de Londres-2012. O arquiteto Hanway esteve no Rio em novembro do ano passado e teve dois meses para realizar o projeto que acabou vencedor.

A Prefeitura do Rio também anunciou um novo concurso, desta vez para o projeto do campo de golfe dos Jogos-2016 (na Barra da Tijuca). Este concurso, porém, será para arquitetos novos e apenas para brasileiros.

Rio

Fonte : http://www1.folha.uol.com.br/esporte/962191-ingles-vence-projeto-do-parque-olimpico-do-rio-veja-como-vai-ficar.shtml

Concurso Nacional Parque da Tamarineira

Foi prorrogado para o dia 16 de setembro o encerramento das inscrições do Concurso Nacional Parque da Tamarineira, premiação organizada pela Prefeitura do Recife e pelo Instituto de Arquitetos do Brasil – Departamento Pernambuco (IAB-PE). Desta forma, os arquitetos interessados em participar do evento agora contam com mais tempo disponível para elaborarem seus projetos.

concurso_tamarineira

A premiação, aberta para os profissionais de arquitetura de todo o Brasil, tem o objetivo de eleger uma proposta urbanística, arquitetônica e paisagística para ser executada na implantação do Parque da Tamarineira, englobando novos usos para o espaço e atendendo aos anseios da população.

Com o adiamento da data final das inscrições, todo o cronograma do Concurso teve que ser alterado. O período onde os candidatos podem tirar suas dúvidas acerca do processo de seleção, por exemplo, foi estendido até o dia 19 de agosto. Já as propostas devem ser entregues entre os dias 19 e 23 de setembro.

Mais detalhes do concurso, assim como o edital, ficha de inscrição e outros documentos importantes, podem ser encontrados no site da Prefeitura do Recife (www.recife.pe.gov.br).

Serviço

Prefeitura do Recife
Av. Cais do Apolo, 925, Bairro do Recife, Recife-PE
Telefone: (81) 3355-8000
Link do Concurso Parque Tamarineira:
http://www.recife.pe.gov.br/concursodoparquedatamarineira/

IAB-PE

Rua Jenner de Souza, 130, Derby, Recife PE
Telefone: (81) 3222-1576
E-mail: concursotamarineira@iabpe.org.br

Curso de etiquetagem Procel para edificações

O curso é oferecido pela UFSC, a distância, com carga horária de 30 horas e as inscrições podem ser feitas de 01/09 a 15/09 de 2011.

Procel

O processo de etiquetagem de edificações no Brasil ocorre de forma distinta para edifícios comerciais, de serviços e públicos e para edifícios residenciais. A metodologia para a classificação do nível de eficiência energética dos primeiros foi publicada em 2009 e revisada em 2010, ano em que também foi publicada a metodologia para classificação dos edifícios residenciais.
A etiqueta é concedida em dois momentos: na fase de projeto e após a construção do edifício. Um projeto pode ser avaliado pelo método prescritivo ou pelo método da simulação, enquanto o edifício construído deve ser avaliado através de inspeção in loco.
Nos edifícios comerciais, de serviços e públicos são avaliados três sistemas: envoltória, iluminação e condicionamento de ar. Dessa forma, a etiqueta pode ser concedida de forma parcial, desde que sempre contemple a avaliação da envoltória. Nos edifícios residências são avaliados: a envoltória e o sistema de aquecimento de água, além dos sistemas presentes nas áreas comuns dos edifícios multifamiliares, como iluminação, elevadores, bombas centrífugas etc. Saiba mais sobre os tipos de etiquetas clicando aqui.

Inscrições: http://etiqeee.paginas.ufsc.br/

GreenBuilding Brasil

GreenBuilding-Brasil                                                                                                                                                            A 2ª edição da GreenBuilding Brasil Conferência Internacional & Expo está marcada para acontecer entre os dias 29 e 31 de agosto de 2011 na sede da Fecomércio, em São Paulo.

Nessa ocasião, ela se consolida como o grande encontro da construção sustentável do Brasil.

Serão 3 dias de evento repetindo a fórmula de sucesso aprovada na estreia, onde os participantes poderão desfrutar de um ambiente com:

Conferência Internacional: em uma atmosfera favorável à atualização, ao aperfeiçoamento e ao relacionamento profissional, você estará lado a lado com alguns dos maiores especialistas nacionais e internacionais conhecendo tendências e debatendo os temas mais desafiadores do setor, em sessões plenárias e  simultâneas.

Exposição de Soluções: nessa área, o foco é o desenvolvimento de negócios através da apresentação de produtos, equipamentos e serviços especializados, onde os expositores terão disponíveis alguns espaços padronizados, especialmente dimensionados para oferecer destaque às marcas patrocinadoras, respeitando o espírito verde do evento.

Visitas Monitoradas: aprender na prática - esse é o objetivo das opções de roteiros oferecidos onde você escolhe qual empreendimento deseja conhecer com maior nível de detalhe, obtendo informações sobre a concepção do projeto e o desenvolvimento da obra, aplicação de novas técnicas, dificuldades de realização e benefícios obtidos, entre outras coisas.

Maiores informações: http://www.expogbcbrasil.org.br/Home/

Brasil metropolitano

Brasil metropolitano

Segue  convite do Seminário  Brasil Metropolitano que ocorrerá na Universidade Mackenzie dia 5 de setembro.
O evento é organizado pelo Senado Federal em parceria com a Universidade Mackenzie.

A entrada é gratuita e a  inscrição  poderá ser feita por meio do link abaixo até  o dia 4 de setembro.

Inscrições : http://www3.mackenzie.com.br/eventos/index.php?evento=314

2º Seminário Ibero-americano

CAU Informa 04


CAU INFORMA
eleicoes conselho de arquitetura e urbanismo do brasil
Arquitto e urbanista brasileiro, em 26 de outubro serao realizadas eleicoes gerais em todo o pais para a composicao do conselho de arquitetura e urbanismo do brasil dos estados e do distrito federal.o prazo para inscricao das chapas se encerrara no proximo dia 29 de agosto
conselho de arquitetura e urbanismo do brasil informacoes na cearq
conselho de arquitetura e urbanismo do brasil informacoes na cearq. www.cau.org.br.twitter.com/cau_br

Livro: Sustentabilidade em urbanizações de pequeno porte

Mascaró 

SUSTENTABILIDADE EM URBANIZAÇÕES DE PEQUENO PORTE
Autor: Juan Luís Mascaró
Editora: Masquatro - Português - 2010
Dimensões: 17x25cm - 165 págs.
Capa: Brochura
Ref.: 12616
R$ 39,00

O livro apresenta diferentes soluções para a infraestrutura urbana de urbanizações de pequeno porte usando tecnologia alternativa à tradicional. Propõe soluções baseadas no uso consciente que evita o desperdício, principalmente da água, do solo e do ar, que são os mais contaminados pela utilização irracional dos recursos. Adota o conceito de sustentabilidade concebida como uma questão de mesura antes de como um paradigma. Os temas tratados referem-se à morfologia do sítio urbano, abastecimento de água potável, sistema de esgotos domésticos e abastecimento de energia. Uma obra de grande interesse não apenas para arquitetos e urbanistas, mas também para prefeituras e associações que geralmente têm limitações econômicas, mas dispõem de iniciativas de cooperação e criatividade. De alguma maneira resgata a cultura local ao propor o uso de materiais e técnicas construtivas que se adequam à região, são econômicas e levam em consideração os aspectos ambientais na sua implementação.

Fonte e maiores informações: http://www.prolivros.com.br/prod_detail5.asp?ref=12616%20%20%20%20%20

Livro: Fundamentos de projeto de edificações sustentáveis

 

Fundamentos

FUNDAMENTOS DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS
Autor: Marian Keeler / Bill Burke
Editora: Bookman - Português - 2010
Dimensões: 28x21cm - 362 págs.
Capa: Brochura
Ref.: 12430
R$ 99,00

Este livro trata de planejamento, projeto e operação de edificações sustentáveis. Traz um panorama histórico da sustentabilidade na construção civil, princípios de projeto sustentável e edificações saudáveis, adaptação de prédios existentes, conservação de energia, água e outros insumos, sistemas de certificação, ferramentas de avaliação de desempenho das edificações, etc. Inúmeros estudos de caso ilustram as estratégias que podem ser utilizadas. Alguns dos capítulos apresentados no livro: 1- O Processo de Projeto Integrado de Edificações; 2- As Conferências e os Tratados Internacionais Modernos; 3- O Surgimento da Edificação e da Legislação Sustentáveis; 4- As Tecnologias de Controle da Qualidade do Ar Interno - O Projeto Ecologicamente Sustentável para a Saúde de Longo Prazo dos Usuários; 5- As Questões de Qualidade do Ambiente Interno; 6- Introdução às Questões Energéticas: O Uso e os Padrões; 7- Os Princípios Básicos de Energia; 8- O Projeto de Edificações Eficientes em Consumo de Energia: Edificações Habitacionais e Comerciais Pequenas; 9- O Projeto de Edificações Eficientes em Energia: As Edificações Não Habitacionais; 10- A Especificação de Materiais e a Certificação de Produtos; 11- A Qualidade e a Conservação da Água; 12- A Gestão de Resíduos de Construção e Demolição; 13- As Técnicas de Construção Alternativas.

Fonte e maiores informações: http://www.prolivros.com.br/prod_detail5.asp?ref=12430%20%20%20%20%20

 

Convênios

IAB Tocantins Copyright © 2009 Blogger Template Designed by Bie Blogger Template
Edited by Allan
  • IAB Tocantins - Quadra 103 SUL RUA SO 5 LOTE 12 SALA 04 E 05 - Palmas/TO . Fone:(63)8438-3753