Parceria entre CAU/RJ e Estado vai garantir acervo técnico de arquitetos e urbanistas servidores

Empresas da administração estadual serão registradas no CAU/RJ, como determina lei 12378/2010


Termo de cooperação entre o CAU/RJ e o Governo do Estado tem como objetivo garantir registro das empresas da administração estadual e acervo para servidores (Fernando Alvim/Divulgação CAU/RJ)


O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro e o Governo do Estado do Rio firmaram nesta terça-feira (25) um termo de cooperação para que todas as entidades, órgãos e sessões técnicas administrativa do Estado se registrem no Conselho, tal como determina a lei de criação do CAU, permitindo assim que todos os arquitetos e urbanistas lotados na administração estadual possam emitir seus Registros de Responsabilidade Técnica (RRT) de Cargo e Função. Com isso, servidores e funcionários poderão dispor, pela primeira vez, do acervo profissional devidamente registrado no CAU/RJ, tal como já acontece com profissionais que atuam na esfera privada.

A medida inclui todas as empresas e órgãos da administração estadual que tenham atividades de arquitetura e urbanismo em seu escopo, tais como as secretarias de Obras, de Habitação, a Empresa de Obras Públicas (Emop), Departamento de Estradas de Rodagem (DER-RJ), Cedae, entre outras.

As negociações para viabilizar o termo de cooperação foram iniciadas em outubro do ano passado, quando o vice-governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, recebeu presidentes do CAU do Rio de Janeiro, Sydnei Menezes; do CAU/BR, Haroldo Pinheiro; e de outros 11 estados e do Distrito Federal, em reunião privada no Palácio Guanabara, sede da administração estadual.

“Toda e qualquer empresa que desenvolve atividades de Arquitetura e Urbanismo precisa ter registro no CAU, sejam elas públicas ou privadas, tal como determina a lei. No entanto, isso não acontece. Os colegas que atuam no serviço público têm uma dificuldade enorme em recolher suas RRTs”, destacou Sydnei, lembrando que a medida permitirá ainda reforçar a responsabilidade técnica e profissional também entre as empresas e profissionais que atuam na esfera pública.

O subsecretário de Urbanismo Regional e Metropolitano do Estado, arquiteto e urbanista Vicente Loureiro, representou o vice-governador, que não pode comparecer à sede do CAU/RJ na reunião com a participação de conselheiros estaduais, federais e de funcionários das gerências técnica e de CAU/RJ.

“É uma iniciativa que garante que os servidores levem seu acervo de trabalho ao longo da vida. Para os arquitetos e urbanistas, é uma medida mais do que justa. Para os órgãos também, porque formaliza a atuação dos seus profissionais e constrói sua própria história de forma organizada. Para a sociedade, também é importante porque assegura a responsabilidade, com a formalização e a outorga do CAU”, avaliou Loureiro.

O coordenador da Comissão de Organização e Administração do CAU/BR,  Conselheiro Federal Anderson Fioreti, que coordena a reunião ordinária do COA na sede do CAU/RJ, destacou o pioneirismo da medida: “É uma vitória por dois motivos. Primeiro porque é uma condição legal, logo existe a necessidade de o CAU fiscalizar. O Governo do Estado do Rio demonstra com isso uma quebra de paradigma. Espero que o CAU/RJ consiga estender e sensibilizar também os municípios”.

Ensaio sobre arquitetura / Marc-Antoine Laugier

Gravura de Charles-Dominique-Joseph Eisen para a segunda edição de "Essai sur l’architecture" de Marc-Antoine Laugier            Gravura de Charles-Dominique-Joseph Eisen para a segunda edição de "Essai sur l’architecture" de Marc-Antoine Laugier

Existem vários tratados de arquitetura que desenvolvem com bastante exatidão as medidas e as proporções arquitetônicas, que entram nos detalhes das distintas ordens e que provêm de modelos para as distintas formas de construir. Porém não existe ainda nenhuma obra que estabeleça solidamente os princípios da arquitetura, que manifeste seu verdadeiro espírito e que proponha regras adequadas para dirigir o talento e definir o gosto. Entendo que nas artes que não são puramente mecânicas não basta saber trabalhar, é importante sobretudo aprender a pensar. Um artista tem que poder dar-se a si mesmo razão de tudo o que faz. Para isso, necessita de princípios fixos que determinem seu juízo e justifiquem sua eleição; de modo que possa dizer que uma coisa está bem ou mal não só por instinto, senão por meio da razão e como homem instruído nos caminhos do belo.

Avançou-se bastante em quase todas as artes liberais. Um grande número de pessoas com talento dedicou-se a nos fazer apreciar suas sutilezas. Escreveu-se, com grande conhecimento, sobre poesia, sobre pintura, sobre música. Aprofundou-se tanto nos mistérios destas artes engenhosas que restam poucos descobrimentos por fazer neste campo. Possuímos preceitos refletidos e críticas judiciosas que determinam sua verdadeira beleza. A imaginação possui guias que a dirigem e freios que a retém nos limites. Podemos apreciar com exatidão tanto a excelência de seu engenho como a desordem à que levam seus extravios.  Se não tivéssemos bons poetas, bons pintores ou bons músicos, não seria absolutamente por falta de teoria, mas por falta de talento.

Só a arquitetura foi abandonada, até agora, ao capricho dos artistas, que estabeleceram seus preceitos sem discernimento. Fixaram as regras ao azar, baseando-se apenas na análise dos edifícios antigos. Copiaram seus defeitos com tanto escrúpulo como suas belezas: desprovidos de princípios que os permitissem apreciar a diferença entre uns e outras, se viram confinados a confundi-los; servis imitadores, declararam como legítimo tudo o que foi autorizado com exemplos; limitando todas suas investigações a consultar o fato, concluíram equivocadamente sua legalidade e, deste modo, suas lições não foram mais que uma fonte de erros.

Vitrúvio, na realidade, só nos ensinou o que praticava em sua época, e ainda que nele se vislumbre o fulgor que anuncia uma inteligência capaz de penetrar nos verdadeiros mistérios de sua arte, não tenta em absoluto rasgar o véu que os cobre, e afastando-se sempre dos abismos da teoria, nos conduz pelos caminhos da prática, que mais de uma vez nos distanciam da meta. Todos os modernos, à exceção do Sr. Cordemoy, se limitam a comentar Vitrúvio e a segui-lo com confiança em todos os seus erros. Digo à exceção do Sr. Cordemoy, pois este autor, mais profundo que a maioria, advertiu a verdade que se ocultava aos demais. Seu tratado de arquitetura é extremamente breve, mas contém princípios excelentes e pontos de vista extremamente meditados. Haveria podido, desenvolvendo-os um pouco mais, extrair conclusões que haveriam iluminado as obscuridades desta arte e que haveriam desenterrado as fastidiosas incertezas que fazem que suas regras pareçam arbitrárias.

É pois de se esperar que algum grande arquiteto tente salvar a arquitetura da excentricidade das opiniões, descobrindo suas leis fixas e imutáveis. Toda arte, toda ciência, tem um objetivo determinado. Para chegar a este objetivo, não todos os caminhos são igualmente bons; há apenas um que leva diretamente à meta, e é este caminho único o que há que conhecer. Em todas as coisas há apenas uma maneira de obrar bem. O que é a arte senão esta maneira, assentada nuns princípios evidentes e posta em prática mediante preceitos invariáveis?

Enquanto esperamos que alguém, muito mais capacitado que eu, se encarregue de ordenar o caos das regras da arquitetura, para que já não reste nenhuma à qual não se possa dar uma razão sólida, eu tentarei lançar um leve raio de luz. Ao observar atentamente nossos maiores e nossos mais belos edifícios, minha alma experimentou impressões diferentes em cada ocasião. Às vezes, o encanto era tão intenso que produzia em mim um prazer mistura de êxtase e entusiasmo.  Outras, sem me sentir tão fortemente arrastado, me sentia satisfatoriamente pleno, era um prazer menor, no entanto um verdadeiro prazer. Frequentemente, permanecia completamente insensível, muitas vezes, também, me sentia enfastiado, chocado, revoltado. Meditei muito sobre todos esses distintos efeitos. Repeti minhas observações até que me assegurei de que os mesmos objetos causavam em mim sempre as mesmas impressões. Consultei o gosto de outros e, submetendo-os à mesma prova, encontrei que as impressões que experimentava eram as mesmas que eles sentiam, com maior ou menor vivacidade segundo os diferentes temperamentos que a natureza os havia outorgado. A partir disso, deduzi: 1º. Que na arquitetura existe uma beleza absoluta, independente do costume e do preconceito humano. 2º. Que a criação de um elemento arquitetônico é, como sucede em todas as obras do espírito, suscetível à frieza e à vivacidade, à perfeição e à desordem. 3º. Que tem que haver para esta arte, como para todas as demais, um talento que não se adquire, uma capacidade de gênio que a natureza outorga, e que este talento, este gênio, tem, entretanto, que se submeter a umas leis e ser governados por elas.

Meditando repetidamente sobre as distintas impressões que me causavam as diferentes obras arquitetônicas, quis aprofundar na causa destes efeitos. Pedi conta dos meus sentimentos a mim mesmo. Quis saber por que uma coisa me entusiasmava e outra eu apenas gostava, por que esta não possuía para mim nenhum encanto e aquela me resultava insuportável. Esta busca, a principio, só me ofereceu escuridão e incertezas. Não me desanimei, penetrei no abismo até que acreditei descobrir o seu fundo, não deixei de perguntar à minha alma até que me deu uma resposta satisfatória. De repente, caiu sobre meus olhos uma imensa luz. Vi claramente objetos onde antes só percebia nuvens e neblina. Apoderei-me destes objetos com ardor e, mediante sua luz, vi desaparecer pouco a pouco minhas incertezas e se desvanecer minhas dificuldades. Finalmente, alcancei o estado em que pude provar a mim mesmo, através de princípios e consequências, a inevitabilidade destes efeitos cujas causas desconhecia.

Este é o caminho que segui para me satisfazer. Pareceu-me que não seria inútil compartilhar com o público o êxito de meus esforços. A arquitetura ganharia infinitamente apenas com o fato de haver incitado os meus leitores a comprovar se não me deixei enganar, a criticar severamente as minhas conclusões, a procurar por si mesmos aprofundar ainda mais neste mesmo abismo. Posso dizer sinceramente que minha principal intenção é dar lugar para que o público e sobretudo os artistas duvidem, conjeturem, não se contentem facilmente. Afortunado serei se os induzo a uma busca que os coloque numa situação de me encontrar em falta e de corrigir minhas inexatidões, assim como de ir além em minhas reflexões.

Isto não é mais que um ensaio no qual unicamente estabeleço algumas indicações e abro um caminho, deixando a outros o cuidado de dar aos meus princípios toda a sua extensão e toda sua aplicação, com uma inteligência e uma sagacidade das que eu não seria capaz.  Nele digo o suficiente para prover os arquitetos de regras fixas de trabalho e meios infalíveis para alcançar a perfeição. Tentei ser o mais inteligível possível. Não pude evitar empregar com frequência termos de arte. Quase todos são bastante conhecidos. Em qualquer caso, no dicionário adjunto se encontrará a explicação de todos aqueles não suficientemente conhecidos pela maioria. Como meu principal propósito é formar o gosto dos arquitetos, evito todos os detalhes que podem ser encontrados em outra parte e, para tornar esta obra mais instrutiva, acrescentei, nesta segunda edição, um número de gravuras suficiente para mostrar ao leitor todos os objetos cuja simples descrição tivesse dado somente uma ideia imperfeita.

Introdução

A arquitetura é, de todas as artes utilitárias, a que exige as aptidões mais brilhantes e os conhecimentos mais amplos. Talvez seja necessário tanto gênio, espírito e gosto para formar um grande arquiteto como para formar um pintor e um poeta de primeira linha. É um erro crer que na arquitetura tudo se reduz à mecânica, tudo se limita a cavar fundações, a levantar muros; que com base em algumas normas convertidas em rotina, apenas se exigem olhos habituados a examinar um aprumo e mãos feitas para manipular a espátula.

Quando se fala sobre a arte de construir, montes confusos de escombros incômodos, imensas pilhas de materiais informes, um espantoso ruído de martelos, andaimes perigosos, um pavoroso conjunto de máquinas, um exército de operários sujos e cobertos de terra, isso é tudo o que vem à imaginação do vulgar; é o córtex pouco agradável de uma arte, cujos mistérios engenhosos que pouca gente aprecia, excitam a admiração de todos aqueles que os penetram. Eles descobrem inventos cuja ousadia supõe um gênio vasto e fecundo, proporções cuja serventia anuncia uma precisão severa e sistemática, ornamentos cuja elegância revela um sentimento delicado e requintado. Quem for capaz de captar tantas verdadeiras belezas, longe de confundir a arquitetura com as artes menores, se verá mais tentado a inclui-la no rango das ciências mais profundas. A visão de um edifício construído em toda a perfeição da arte provoca um prazer e um encantamento dos quais não é possível se defender. Este espetáculo revela na alma ideias nobres e tocantes. Ele nos faz experimentar essa doce emoção e esse agradável êxtase que excitam as obras que carregam a marca de uma autêntica superioridade de espírito. Um belo edifício fala eloquentemente por seu arquiteto. O Sr. Perrault, em seus escritos, é acima de tudo um sábio: a colunata do Louvre o define como um grande homem.

A arquitetura deve o que tem de mais perfeito aos gregos, nação privilegiada, a quem esteve reservado não ignorar nada sobre as ciências e inventar tudo nas artes. Os romanos, dignos de admiração, capazes de copiar os excelentes modelos que a Grécia os proporcionou, quiseram acrescentar algo próprio, e só conseguiram ensinar a todo o universo que quando o grau de perfeição é atingido, não resta mais que imitar ou decair. A barbárie dos séculos posteriores, depois de enterrar todas as belas artes sob as ruinas do único império que havia conservado o gosto e os princípios daquelas, deu origem a um novo sistema de arquitetura, que tendo as proporções ignoradas, os ornamentos bizarramente configurados e puerilmente amontoados, não ofereceu mais que pedras agrupadas, o informe, o grotesco, o excessivo. Esta arquitetura moderna (gótica) fez durante bastante tempo as delícias de toda a Europa. A maioria de nossas grandes igrejas está infelizmente destinada a conservar suas marcas para a mais distante posteridade. Digamos a verdade, apesar de seus inumeráveis defeitos, esta arquitetura teve suas belezas. Ainda que em suas mais magníficas produções reine uma torpeza de espírito e uma bruteza de sentimentos de todo lamentável, podemos não admirar a audácia de seus traços, a delicadeza do cinzel, o ar majestoso e a abertura que se aprecia em algumas peças que, por tudo isto, têm algo de desesperador e inimitável? Mas enfim, gênios mais afortunados souberam perceber nos monumentos da Antiguidade provas do equívoco universal e recursos para resolvê-lo. Capazes de saborear algumas maravilhas expostas em vão por séculos a todos os olhares, refletiram sobre suas proporções e imitaram seu artifício. À custa de pesquisas, de exames, de tentativas, acabaram por fazer renascer o estudo das boas regras e reestabeleceram a arquitetura com todos os seus antigos cânones. Abandonaram-se os ridículos caprichos do gótico e do arabesco para substitui-los pelos adornos viris e elegantes do dórico, do jônico e do coríntio. Os franceses, lentos em imaginar, porém rápidos em seguir as boas imaginações, invejaram a gloria italiana em ressuscitar estas magnificas criações da Grécia. Estamos rodeados de monumentos que testemunham o entusiasmo, que reconhecem o êxito dessa emulação de nossos pais. Tivemos nossos Bramantes, nossos Michelangelos, nossos Vignolas. O século passado, século em que, em tema de talento, a natureza espalhou entre nós, e talvez tenha esgotado, toda a sua fecundidade, produziu em arquitetura obras primas dignas das melhores épocas.  Porém, no momento em que tocávamos a perfeição, como se a barbárie não houvesse perdido todos os seus direitos entre nós, recaímos no baixo e no defeituoso. Tudo parece nos ameaçar enfim com uma total decadência.

Esse perigo que se torna dia a dia mais próximo, que nós podemos, contudo, prevenir ainda, me incita a oferecer aqui modestamente minhas reflexões sobre uma arte pela qual sempre tive muito amor. No desígnio que me proponho, não sou animado nem pela paixão de censurar, paixão que eu detesto, nem pelo desejo de dizer coisas novas, desejo que creio no mínimo frívolo. Cheio de estima por nossos artistas, dos quais vários têm uma habilidade reconhecida, eu me limito a comunicar-lhes minhas ideias e minhas dúvidas, das quais eu os suplico que façam uma avaliação refletida. Se ressalto como verdadeiros abusos alguns usos universalmente aceitos entre eles, não pretendo que eles se refiram unicamente à minha opinião que submeto de todo coração à sua judiciosa crítica. Peço apenas que eles queiram se despojar de certos preconceitos bastante ordinários, e sempre nocivos ao progresso das artes.

Que não digam que, não sendo do ofício, não sei falar deste com conhecimento suficiente; essa é seguramente a mais vã das dificuldades. Todos os dias julgamos uma tragédia sem haver jamais feito versos. O conhecimento das regras não está proibido a ninguém, embora a execução não seja entregue mais que a alguns. Não me oponham autoridades respeitáveis como infalíveis. Seria arruinar tudo julgar o que deve ser pelo o que é. Os maiores homens já se equivocaram alguma vez: não é pois um modo de evitar o erro, tomar sempre o exemplo por regra. Não me detenham pelas supostas impossibilidades. A preguiça encontra muitas onde a razão não vê nenhuma. Estou convencido que aqueles de nossos arquitetos que têm um verdadeiro zelo pela perfeição de sua arte me serão gratos pela minha boa vontade. Eles talvez encontrem nestes escritos reflexões que lhes haviam escapado: e se as jugam sólidas, não desdenhem utilizá-las; é tudo o que peço. Pois, ver só com pesar que uma mão estranha leve a chama da verdade em mistérios nos quais ainda não se havia aprofundado, rejeitar uma luz por antipatia à fonte de onde vem, opor um desprezo cego ao zelo de um aficionado que tenta discernir os caminhos que levam ao objetivo daqueles que nos distanciam dele, irritar-se diante do êxito que pode ter seus esforços por temor a ter adiante censores mais atentos, juízes mais severos; tais atitudes só são próprias de artistas carentes de gênio e de sentimento.

Princípios gerais da arquitetura

Isto é da arquitetura como de todas as outras artes: seus princípios são fundados na simples natureza, e no proceder desta se encontram claramente marcadas as regras daquela. Consideremos o homem em sua primeira origem, sem outro auxílio, sem outro guia que o instinto natural de suas necessidades. Ele precisa de um lugar de repouso. À beira de um tranquilo riacho ele avista um campo; seu verdor nascente agrada seus olhos, sua terna lanugem o convida; ele vem, e comodamente estirado sobre este tapete esmaltado, sonha somente em desfrutar em paz dos dons da natureza: nada lhe falta, ele não deseja nada. Mas logo o ardor do sol que o queima, o obriga a procurar um abrigo. Avista um bosque que lhe oferece o frescor de suas sombras; ele corre para se esconder em sua espessura, e aqui está satisfeito. No entanto, mil vapores suspensos ao azar se encontram e se reúnem, de espessas nuvens se cobre o ar, uma chuva espantosa se precipita como uma tormenta sobre este bosque delicioso. O homem mal coberto ao abrigo de suas folhas não sabe mais como se defender de uma umidade incômoda que o penetra de toda parte. Uma caverna apresenta-se, ele rasteja, e se encontrando a seco, aplaude por sua descoberta. Mas novos dissabores ainda o desagradam nessa morada. Ele se vê nas trevas, respira um ar insalubre, e sai resolvido a suprir, com seu engenho, as desatenções e negligências da natureza. O homem quer construir para si um alojamento que o cubra sem enterrá-lo. Uns galhos caídos no bosque são os materiais apropriados ao seu propósito. Escolhe quatro dos mais fortes que levanta perpendicularmente e que dispõe em quadrado. Em cima, põe quatro outros atravessados; e sobre estes levanta outros que se inclinam e se unem num ponto em dois lados. Esta espécie de telhado é coberta de folhas suficientemente juntas para que nem o sol e nem a chuva possam penetrá-lo; e eis aqui o homem alojado. É verdade que o frio e o calor o farão sentir desconforto em sua casa aberta em todos os lados; mas então ele preencherá o intervalo entre os pilares e se encontrará protegido.

Tal é a marcha da simples natureza; é à imitação do seu proceder que a arte deve seu nascimento. A pequena cabana rústica que acabo de descrever é o modelo a partir do qual imaginamos todas as magnificências da arquitetura, é em se aproximando à execução da simplicidade deste primeiro modelo que evitamos os defeitos essenciais, que agarramos as perfeições verdadeiras. Os pedaços de madeira levantados perpendicularmente nos deram a ideia das colunas. Os pedaços horizontais que os coroam, nos deram a ideia dos entablamentos. Finalmente, as peças inclinadas que formam o telhado nos deram a ideia dos frontões: eis aqui o que todos os mestres da arte têm reconhecido. Mas sejamos cautelosos. Jamais princípio algum foi mais fecundo em consequências. É fácil agora distinguir as partes que entram essencialmente na composição de uma ordem da arquitetura daquelas que são introduzidas apenas por necessidade ou que acrescentadas apenas por capricho. São nas partes essenciais que consistem todas as belezas. Nas partes introduzidas por necessidade consistem todas as licenças. Nas partes acrescentadas por capricho consistem todos os defeitos: isso pede esclarecimentos. Tentarei lançar sobre isso toda a luz possível.

Não percamos de vista nossa pequena cabana rústica. Nela só vejo colunas, uma trave ou entablamento, um telhado pontudo cujas duas extremidades formam cada uma isso que nós chamamos um frontão. Até agora nada de abóbada, menos ainda de arco, nada de pedestais, nada de ático, nem mesmo de porta, nada de janela. Concluo então e digo: em toda ordem da arquitetura, não há mais que a coluna, o entablamento e o frontão que possam entrar essencialmente na composição. Se cada uma dessas três partes se encontra localizada na situação e com a forma convenientes, não haverá nada a se acrescentar para que a obra seja perfeita. Resta-nos na França um belíssimo monumento dos antigos, o que chamamos em Nîmes a Maison Quarrée. Conhecedores ou não conhecedores, todo o mundo admira a beleza desse edifício. Por quê? Porque nele tudo existe segundo os verdadeiros princípios da arquitetura. Um retângulo onde trinta colunas suportam um entablamento e um telhado rematado nas duas extremidades por um frontão, eis tudo em que consiste: este conjunto possui uma simplicidade e uma nobreza que surpreendem todos os olhares.

x x x

© Tradução: Igor Fracalossi. Colaboração: Flora Paim.

Referência: Marc-Antoine Laugier, Essai sur L’Architecture, Paris, 1753, pp.i-15.

Cita:Igor Fracalossi. "Ensaio sobre arquitetura / Marc-Antoine Laugier" 27 Feb 2014. ArchDaily. Accessed 28 Fev 2014.  http://www.archdaily.com.br/br/01-169735/ensaio-sobre-arquitetura-slash-marc-antoine-laugier?utm_source=ArchDaily+Brasil&utm_campaign=570007924a-Archdaily-Brasil-Newsletter&utm_medium=email&utm_term=0_318e05562a-570007924a-407774757

Exposição ''estudos, esboços e ensaios poéticos sobre arquitetura e territórios afins''

 

 

EXPOSIÇÃO
Exposição ''estudos, esboços e ensaios poéticos sobre arquitetura e territórios afins''

A Carbono Galeria apresenta a exposição ''estudos, esboços e ensaios poéticos sobre arquitetura e territórios afins'', em São Paulo, com curadoria do arquiteto Agnaldo Farias. Em cartaz até 15 de março, a mostra apresenta obras múltiplas de arquitetos e artistas brasileiros, como Ruy Ohtake, Angelo Bucci e Guto Lacaz, que contemplam os constantes encontros e cruzamentos entre arte e arquitetura.

Onde: Carbono Galeria – Rua Joaquim Antunes, 59 – Pinheiros – São Paulo, SP
Quanto: gratuito
+ Infos: www.carbonogaleria.com.br

Início: 04/02/2014
Término: 15/03/2014
Inscrições até:

Fonte: http://www.arqbacana.com.br/internal/arq!agendainterna?open=13694

CAU/BR patrocina projetos que contribuam para o desenvolvimento da Arquitetura e Urbanismo

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU/BR) torna pública a abertura do processo seletivo para escolha de projetos a serem patrocinados pelo CAU/BR em 2014, que contribuam para o desenvolvimento da Arquitetura e Urbanismo e para a promoção da imagem dos Conselhos de Arquitetura e Urbanismo perante seu público de interesse.

caubr

A data de início de recebimento dos projetos no dia 03 de março de 2014 e encerramento dia 20 de março de 2014, período em que o CAU/BR receberá projetos de responsabilidade de terceiros. Poderão participar pessoas jurídicas legalmente constituídas, sem fins lucrativos.

O valor total do EDITAL é de R$350.000,00.

INFORMAÇÕES SOBRE A SELEÇÃO:
O edital está disponível no sítio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil – CAU/BR: http://www.caubr.org.br, onde serão disponibilizadas todas as informações alusivas ao presente processo
seletivo.

CHAMADA PÚBLICA DE PATROCÍNIO Nº 01/2014

ANEXO I – Resolução CAU/BR nº 23, de 04/05/12;

ANEXO II – Formulário para Solicitação de Patrocínio;

ANEXO III – Formulários para Prestação de Contas;

ANEXO IV – Disponibilidade Orçamentária;

ANEXO V – Minuta do Convênio.

Fonte: http://www.caubr.gov.br/?p=20380

“Arquiteto israelense vai dividir o pavilhão da Bienal de SP em 4 áreas”

14049509

Esboço do térreo do prédio da Bienal

Fotos: divulgação - Eduardo Knapp/Folhapress

  • O arquiteto israelense Oren Sagiv, responsável pelo projeto da 31ª Bienal de São Paulo, revelou em entrevista como será a organização espacial do principal evento de artes plásticas do país, previsto para ser inaugurado em 06 de setembro. Sagiv, que também é um dos cindo curadores da mostra intitulada "Como Falar de Coisas que Não Existem", explicou que dividiu o pavilhão em quatro áreas distintas a partir das características do edifício desenhado por Oscar Niemeyer. Confira na íntegra a reportagem publicada na Folha.com.

    A 31ª edição da Bienal de São Paulo irá dividir o pavilhão desenhado por Oscar Niemeyer em quatro áreas distintas e com arquitetura própria, segundo o projeto do israelense Oren Sagiv.

    Um dos cindo curadores da mostra intitulada "Como Falar de Coisas que Não Existem" e programada para ser inaugurada no dia 6 de setembro, o arquiteto Sagiv adiantou à Folha como será a organização espacial do principal evento de artes plásticas do país.

    "Esse prédio não é como um container todo igual por dentro, mas é composto por áreas distintas. Por isso, estamos propondo um modelo a partir das características do próprio edifício", afirma Sagiv à Folha.

    A primeira área é o que o arquiteto denomina edifício-parque, o térreo do pavilhão, que terá arquibancadas espalhadas pelo espaço. Lá, deverão ocorrer performances, debates e projeções.

    "A ideia é que essa área seja um espaço aberto o tempo todo, para que as pessoas já façam parte do evento sem nem mesmo ter entrado nele", afirma. Com isso, as catracas da Bienal seriam dispostas após esse setor.

    DIVISOR

    A segunda área é o "edifício-meio", uma área intermediária que percorre os três andares do pavilhão, mas será uma espécie de divisor de todos os setores.
    S
    egundo Sagiv, "como o edifício é fora de proporção para uma escala humana, com essas áreas bem demarcadas será mais fácil para o visitante se localizar e, assim, tornar o percurso menos fatigante".

    Outro setor é o "edifício-rampa", a área em torno da majestosa rampa do pavilhão, onde, em geral, são alocadas obras de caráter monumental, como a polêmica "Bandeira Branca", com os urubus de Nuno Ramos, na 29ª Bienal, em 2010.

    A ideia agora não é alocar nesse espaço uma única obra, mas aproveitar o caráter vertical que permite que se observem obras em distintos andares, com um só posicionamento do visitante.

    "Creio que o monumental aí é o vazio e é isso que queremos aproveitar", defende o curador-arquiteto.

    Finalmente, o último bloco é o "edifício-exposição", nos segundo e terceiro andares, totalizando uma área de cerca de 5.000 m², dos 30 mil m² do total.

    Um corredor vazio, em todo o lado esquerdo do pavilhão, de onde se tem a vista para o parque Ibirapuera, será uma espécie de antessala para os espaços reservados às obras. Aliás, obras existirão, de acordo com Sagiv, em todas as seções, mas a divisão ocorre como "uma forma elegante de não usar todos espaços do pavilhão".

    SEM OBRAS

    Por enquanto, todo esse projeto foi realizado sem se saber exatamente o seu conteúdo, isso é, as obras — já que a maior parte delas está sendo encomenda aos artistas e em fase de produção.

    "Criamos uma espécie de matriz, agora muita coisa ainda pode ser alterada de acordo com as obras, vamos ter muito trabalho nos próximos meses", diz Sagiv.

    O arquiteto é design de exposições do Museu de Israel, em Jerusalém, e um de seus projetos mais ousados foi para a Quadrienal de Praga, em 2011, quando criou um espaço público aéreo acima da exposição.

    Para a Bienal de São Paulo, ele tem a colaboração de Anna Helena Villela, do escritório Metrópole Arquitetos.

    Fonte : www1.folha.uol.com.br

Quatro motivos que mostram por que o ciclismo é bom para os negócios


Além dos benefícios ao meio ambiente e à saúde que o ciclismo proporciona, as cidades que se abriram para esta tendência estão se provando lucrativas, fato vem atraindo o interesse de muitos investidores americanos. As ruas que proporcionam segurança e conforto para os ciclistas urbanos não apenas aumentam a visibilidade e atratividade do mercado imobiliário, elas também reduzem a necessidade de desperdiçar dinheiro (e espaço) com grandes estacionamentos. Além disso, como salientou Michael Andersen, do jornal The Guardian, ciclistas são os "consumidores perfeitos: do tipo que sempre volta."
Saiba mais por que o ciclismo é bom para os negócios aqui.


Concurso HU Sergipe: CAU/SE impugna edital


CAU/SE impugna edital de concurso do HU de Sergipe

O CAU/SE resolve impugnar o edital nº 4, da área administrativa, para o concurso do Hospital Universitário de Sergipe, com provas previamente agendadas para o dia 16 de março. O motivo é em função da irregularidade para a categoria de arquitetos e urbanistas, cuja tabela do Anexo I do Edital contempla o quadro de vagas, salário e carga horária semanal, teor incompatível com o salário mínimo profissional instituído através da Lei no. 4950-A de 1966, que estabelece: Art. 1º O salário mínimo dos diplomados pelos cursos regulares superiores mantidos pelas Escolas de Engenharia, de Química, de Arquitetura, de Agronomia e de Veterinária é o fixado pela presente Lei. Art. 2º: O salário mínimo fixado pela presente Lei é a remuneração mínima obrigatória por serviços prestados pelos profissionais definidos no art. 1º com relação de emprego ou função, qualquer que seja a fonte pagadora.


Cristiano Pacheco, diretor do CAU-SE

Para o coordenador da Comissão de Ética e Diretor Geral do CAU/SE, Cristiano Pacheco, a instituição está atenta ao que tange o cumprimento da fiscalização do salário mínimo profissional do Arquiteto e Urbanista. “A resolução nº 38 CAU/BR veio pra ratificar a completa execução do piso salarial, em atendimento ao disposto na lei 4.950-A/66. O salário mínimo profissional é a remuneração mínima devida, por força de contrato de trabalho, aos arquitetos e urbanistas com relação a empregos, cargos, funções e desempenho de atividades técnicas relacionadas ao exercício da Arquitetura e Urbanismo e deve ser respeitado. O salário mínimo profissional a partir de 01 de janeiro de 2013 é de uma jornada de 6 horas diárias que corresponde a seis salários mínimos, totalizando em R$ 4.344,00. Para uma jornada de 8 horas diárias são 8,5 salários mínimos, correspondendo a um total de R$ 6.154,00”, diz. De acordo com o Edital da EBSERH, a vaga para arquiteto é para uma carga horária semanal de 40h, com salário de R$ 4.732,00.

O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Sergipe tem a finalidade de orientar, disciplinar e fiscalizar o exercício da profissão de arquitetura e urbanismo, zelando pela fiel observância dos princípios éticos e disciplinares da classe em todo o Estado, conforme a Lei Nº 12.378/2010. Atento a esses objetivos, no sentido de evitar falhas constantes em editais de concursos, principalmente no que concerne a exigência de profissionais de outras categorias, quando seria atribuído o trabalho a um profissional da Arquitetura e Urbanismo, o CAU/SE encaminhou para a organizadora do concurso e demais órgãos envolvidos, ofício solicitando a impugnação do mesmo e adequação do salário que cabe ao arquiteto e urbanista.

De acordo com a presidente do CAU/SE, Karinne Santiago, “tal descumprimento de direitos assegurados na lei aos arquitetos dará oportunidade ainda a uma denúncia ao Ministério do Trabalho, aplicação de multas trabalhistas, sem detrimento das medidas judiciais que podem ser adotadas para garantir o pagamento do salário mínimo profissional. Diante disso, estamos solicitando a impugnação, com efeito para adequar o salário mínimo profissional compatível junto a Lei no. 4.950/66”, finaliza.

Publicação online - Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos

Publicação
O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) lança em versão online nesta sexta-feira, dia 10 de janeiro, a publicação Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. A expectativa é que a publicação seja um marco institucional que referencie as ações e experiências no âmbito da Educação Patrimonial, de forma a articular de maneira participativa as unidades do IPHAN, outras instâncias governamentais e a sociedade civil como agentes de uma política com abrangência nacional.
Produzido pela Coordenação de Educação Patrimonial (Ceduc) do Departamento de Articulação e Fomento (DAF/IPHAN), a publicação é resultado de um percurso amplo de debates, pesquisas teóricas e avaliações das práticas e ações educativas voltadas à preservação do Patrimônio Cultural, dentro e fora do IPHAN. Seu conteúdo consolida as atuais diretrizes conceituais e macroprocessos institucionais com os quais o IPHAN tem atuado. O trabalho marca o esforço em constituir o campo da Educação Patrimonial como uma área finalística, de caráter transversal e dialógico, dedicada à promoção, coordenação, integração e avaliação da implementação de programas e projetos educativos no âmbito da Política Nacional do Patrimônio Cultural.
Dividido em três partes, o livro Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos descreve, em primeiro lugar, a trajetória histórica de ações educativas dentro do IPHAN, destacando documentos, iniciativas e projetos utilizados como estratégia de proteção e preservação do patrimônio sob sua responsabilidade. Em seguida, volta-se para a descrição dos fundamentos conceituais que amparam as atuais políticas da área. Por fim apresenta os três macroprocessos institucionais desenvolvidos pela Ceduc: inserção do tema patrimônio cultural na educação formal; gestão compartilhada das ações educativas; e a instituição de marcos programáticos no campo das ações de Educação Patrimonial.
Para ter acesso à publicação Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos clique aqui.
Mais informações para imprensa:
Assessoria de Comunicação IPHAN

comunicacao@iphan.gov.br
Adélia Soares – adelia.soares@iphan.gov.br
Isadora Fonseca – Isadora.fonseca@iphan;gov.br
Mécia Menescal – mecia.menescal@iphan.gov.br
(61) 2024-5476 / 2024-5479
(61) 9381-7543

Expo Arquitetura Sustentável



Feira de arquitetura, construção e sustentabilidade da Reed Exhibitions Alcantara Machado chega para atender demanda de mercado. Cujo objetivo principal é fomentar o desenvolvimento e aceleração para a transformação da Indústria Nacional da Construção Civil em direção a Sustentabilidade.

São Paulo, fevereiro de 2014 - Tornar a construção e arquitetura sustentável assuntos mais próximos do consumidor, engenheiro, arquitetos, aliando também outras atividades como minimizar o impacto socioambiental da indústria da construção, eficiência energética, melhor qualidade ambiental do ar, uso racional da água, menor custo de operação e manutenção dos empreendimentos, conforto, bem-estar e melhora na qualidade de vida dos usuários são algumas das principais motivações da Expo Arquitetura Sustentável - Feira Internacional de Construção, Reforma, Paisagismo e Decoração, evento criado e promovido pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, e que acontece de 26 a 28 de agosto de 2014, no Expo Center Norte, em São Paulo. A promotora lança a nova feira com todo o know-how de organizadores e promotores de quatro edições de Greenbuilding Brasil, também realiza há 20 anos a Feicon Batimat, maior feira de construção civil na América Latina, Expolux - Feira Internacional da Indústria da Iluminação, Febrava - Principal feira do setor de HVAC-R e Feicon Nordeste.

Simultaneamente à feira, durante três dias será realizada conferência, com especialistas das diversas áreas abordadas no evento oferecendo também a chance de concretizar bons negócios. O momento para a realização de uma feira deste porte é propício. Hoje, o Brasil é o quarto país entre os que concentram edificações ecologicamente corretas. Os Estados Unidos reúnem o maior número de construções em análise, seguidos pela China e pelos Emirados Árabes Unidos. Aqui, segundo dados setoriais de 2013, mais de 800 projetos em processo de certificação dos empreendimentos. Além disso, o programa habitacional Minha Casa, Minha Vida requer obrigatoriedade do uso de energia solar em todos os novos empreendimentos destinados às famílias com renda máxima de três salários mínimos, prova de que, além da iniciativa privada, o governo federal incentiva medidas verdes também para casas populares. 

Segundo Liliane Bortoluci, diretora da Expo Arquitetura Sustentável, “o evento apresentará a um público especializado, profissionais de diferentes vertentes da construção e arquitetura, tomadores de decisão, responsáveis pelas edificações e projetos com inserções de praticas, metodologias e tecnologias verdes. Queremos mostrar que atitudes e ideias sustentáveis podem estar próximas do nosso dia-a-dia, e incorporadas no cotidiano oferecem também conforto, bem estar e ganho de produtividade. Serão ideias inovadoras para aplicar em projetos. Reuniremos em um só lugar os melhores produtos, novidades, tecnologias, inovação e materiais sustentáveis que cabem em diversos orçamentos”.

Todos os modelos e normas de certificações reconhecidas internacionalmente, tais como HQE (França) – adaptada para o Brasil como AQUA; BREEAM (Reino Unido), DGNB (Alemanha), CASBEE (Japão) e LEED (EUA), terão oportunidade de exposição. A organização da feira estima 7 mil visitantes/compradores, em uma área de 8 mil m² e 100 marcas nacionais e internacionais. A conferência deve reunir 800 congressistas que assistirão e debaterão em painéis de 80 palestrantes. 

A Expo Arquitetura Sustentável tem o apoio institucional da Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura (AsBEA), Fundação Vanzolini, Associação Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Ventilação e Aquecimento  (ABRAVA), Câmara Brasileira da Indústria da Construção ( CBIC ), Sindicato da Indústria de Artefatos de Metais não Ferrosos no Estado de São Paulo (SIAMFESP) – Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (ABRAFATI), Associação Tecnologia Verde Brasil (ATVerdeBrasil), UK Trade & Investment e UBIFRANCE.

Público Comprador 

• Arquitetos
• Construtores
• Designers de Interiores
• Engenheiros
• Órgãos Governamentais
• Investidores
• Especificadores
• Prestadores de Serviços

Alguns setores do evento 

• Aquecimento e refrigeração do ambiente
• Arquitetura sustentável
• Automação e segurança
• Cadeados, fechaduras e acessórios
• Decoração e paisagismo
• Eficiência energética
• Elétrica e iluminação
• Elevadores
• Energia renovável
• Impermeabilização, produtos e serviços
• Limpeza verde
• Máquinas, ferramentas e equipamentos para construção

Serviço:
Expo Arquitetura Sustentável – Feira Internacional de Construção, Reforma, Paisagismo e Decoração.
Data: 26 a 28 de agosto de 2014  
Local: Expo Center Norte, Pavilhão Vermelho - São Paulo - SP
Horários: Exposição: 11h às 20h / Conferência: 9h às 18h

Fonte: http://www.expoarquiteturasustentavel.com.br/pt-br/Multimidia/Releases-do-evento/EXPO-ARQUITETURA-SUSTENTAVEL-VAI-APROXIMAR-SUSTENTABILIDADE-DO-GRANDE-PUBLICO/

Tabelas de Honorários: software e novos módulos serão apresentados na plenária de março

Colegiado de Entidades Nacionais de Arquitetos e Urbanistas pretende disponibilizar ferramenta ao público em abril



A versão preliminar do software e os Módulos II e III das Tabelas de Honorários foram debatidos pelo Colegiado Permanente das Entidades Nacionais de Arquitetos e Urbanistas (CEAU) em sua última reunião, realizada em Brasília nos dias 20 e 21 de fevereiro. O CEAU também aprovou que realizará procedimentos complementares para o seu envio à plenária do CAU/BR, em março de 2014.


Após o referendo pela Plenária do CAU/BR, será gerada nova resolução sobre o tema, consolidando todo um balizamento de preços para os serviços previstos na Resolução 21 do CAU/BR. Em seguida, o software da tabela, seu modo de utilização e seus benefícios serão apresentados no XX Congresso Brasileiro de Arquitetos promovido pelo IAB, de 22 a 25 de abril, em Fortaleza.

Veja aqui o Módulo I da Tabela de Honorários, já aprovado pelo CAU/BR.

O sistema, cuja elaboração começou há cinco anos dentro do IAB, foi ampliado para discussão e aprovação no CEAU e no CAU/BR, e, após a sua conclusão, será o referencial para a formação de preços de mais de 240 atividades de competência profissional dos arquitetos e urbanistas.


“O Brasil já conta, há anos, com um sistema que serve de referência para as contratações de obras da indústria da construção civil, o Sistema Nacional de Preços, Custos e Índices (Sinapi), da Caixa Econômica Federal. Nosso sistema completará o círculo, incluindo projetos e serviços”, afirma o arquiteto Odilo Almeida Filho, que coordenou o trabalho desde seu início. O software é composto de três módulos. O primeiro – que trata do projeto arquitetônico de edificações – foi aprovado pelo Plenário do CAU em sua Resolução nº 64/2013.  O segundo cuida de projetos diversos e o terceiro da execução de obras e outras atividades.

Um guia com três volumes orientará a inserção de dados e uso da ferramenta, “que permitirá uma melhor compreensão pela sociedade dos justos valores envolvidos em nossa atividade, valorizando o profissional de Arquitetura e Urbanismo como agente da boa qualidade de nossas edificações e cidades”.


A ferramenta – que será oferecido gratuitamente no site do CAU/BR – é igualmente importante para nortear decisões em eventuais disputas judiciais.

O CEAU é composto por IAB, FNA, AsBEA, ABEA e ABAP, com participação da FeNEA e da AsBAI.

O arquiteto Odilo Almeida Filho é vice-presidente da Região Nordeste do IAB, ex-presidente do IAB-Ceará e coordenador da Comissão do Exercício Profissional do Conselho Superior do IAB.

É possível pôr em prática políticas progressistas nas grandes cidades latino-americanas de hoje?

Nestes primeiros anos do século XXI a maioria das grandes capitais latino-americanas está sob governo de partidos ou coalisões progressistas ou de esquerda, com um importante apoio popular. São cidades de alta visibilidade, com meios para realizar políticas transformadoras num sentido democrático e de justiça social. Referimo-nos a Cidade do México, Bogotá, Quito, Lima, La Paz, Santiago, Montevidéu, São Paulo, Caracas. Destaca-se a ausência de Buenos Aires, que teve governos duvidosamente progressistas nos anos 90 e início dos 2000 e hoje é governada por uma direita neoliberal que substitui a justiça pela demagogia. Uma experiência (ruim) a ser levada em conta.
Um governo progressista que pretende consolidar políticas de reforma precisa durar, ao menos, dois ou três mandatos. Para fazer progredir a cultura política democrática nos parece muito conveniente realizar uma análise dessas experiências, como começaram suas jornadas, os primeiros resultados de suas políticas e seus atuais desafios. Não pretendemos agora realizar esta análise de todas as cidades citadas, o conhecimento não seria suficiente e não caberia em um artigo de periódico. Exigiria ao menos uma série. Apenas pretendemos propor alguns critérios do que pode ser uma política de esquerda ou progressista a partir de um conhecimento básico dos casos citados. Como avaliar uma política de esquerda? Consideramos três critérios e cada um deles se situa em uma escala diferente.
Em primeiro lugar as políticas sociais, que logicamente supõem priorizar as populações mais necessitadas e mais vulneráveis e os territórios mais deficitários em relação a infraestruturas, habitação e serviços públicos e coletivos. São políticas de redistribuição social com efeitos em curto prazo e que exigem urgência no tempo e proximidade no território. É o aspecto que cabe principalmente aos governos locais, sejam governos da cidade ou delegações, tanto para atuar sobre a base de suas competências ou de suas capacidades, como para reclamar aquilo que cabe ao Governo Nacional. Na maioria dos casos, o resultado é uma multiplicidade impressionante de programas, projetos e atuações que foram promovidas em menos de um ano e com recursos limitados. Destacam-se os programas de educação, cultura e lazer destinados à infância e juventude, à assistência sanitária, à igualdade de gênero, à cultura, à atenção aos idosos e setores mais pobres, à recuperação de espaços públicos, ao apoio às micro e pequenas empresas, à segurança da cidade, ao controle do tráfego de drogas, à disposição de água potável para toda a população, às obras de drenagem e outros serviços básicos, à proteção civil, à melhoria do transporte público, etc. Estas políticas serão mais efetivas à medida que sejam levadas em conta as reivindicações e as propostas dos coletivos da cidade, em especial os críticos. Trata-se de políticas de urgência para responder a necessidades mínimas para ser reconhecido como cidadão, que contribuem para melhorar a qualidade de vida e a diminuição da pobreza, mas que tem pouco impacto na redução da desigualdade social.
Em segundo lugar as políticas de urbanização e intervenção sobre a cidade existente. Trata-se de construir cidade onde haja urbanização falha e tecido degradado; promoção de habitação para os setores de baixa renda; melhorar as centralidades existentes e desenvolver outras novas; renovar e estender todas as infraestruturas e serviços urbanos para que atendam toda a população; generalização de espaços públicos de qualidade em todo o território urbanizado (a cidade é antes de tudo espaço público); regular a construção de habitação de modo a produzir em todas as áreas certa mistura social; garantir o acesso à mobilidade a toda a população através de um sistema de transporte coletivo física e economicamente acessível a todos; atrair atividades econômicas que gerem equilíbrio entre habitação, serviços e emprego; criar uma imagem de cidade que gere autoestima da cidadania. Trata-se de políticas em médio prazo e que não podem depender exclusivamente dos governos locais, por mais fortes que sejam. Exigem a colaboração das entidades descentralizadoras (delegações ou distritos) com o governo da cidade e com o nacional. E é fundamental que sejam instituídos mecanismos participativos que promovam e reconheçam os coletivos sociais, especialmente os mais críticos, e que sejam evitados acordos mais ou menos ocultos entre os organismos públicos e os agentes econômicos privados.
Em terceiro lugar é preciso elaborar uma cultura política urbana alternativa que torne possível evitar os efeitos perversos das mudanças das cidades, como por exemplo quando uma melhoria urbana acaba expulsando uma população de renda mais baixa em função de populações mais ricas, impedindo que o espaço público e o solo em geral sejam mercantilizados e que atribua meios que façam do urbanismo e das políticas públicas um instrumento de transformação social. Isto supõe questionar o princípio da propriedade como é atualmente regulada, como é o caso do solo. Reorientar o crédito ao tornar público o acesso à habitação e a regularização do sistema bancário. Promover uma legislação urbanística que evite a disseminação urbana e organize o território como sistema de cidades compactas. Em resumo, atribuir aos governos o território (em todos os níveis) os meios jurídicos, fiscais e financeiros para tornar efetivo o direito à cidade.
Na medida em que aconteça uma articulação entre as organizações sociais mais combativas, os setores intelectuais e profissionais mais avançados e os responsáveis políticos, será possível promover políticas urbanas que não se limitem a reduzir os custos sociais de desenvolvimento urbano sem interferir nos mecanismos produtores da exclusão e da desigualdade. É o ponto fraco da maioria dos governos progressistas nas cidades latino-americanas. Sugerimos um teste com três perguntas para determinar se as políticas públicas são realmente progressistas. O governo da cidade questiona o regime atual da propriedade do solo? O planejamento urbano impede a dispersão urbana e a segregação social (por exemplo, bairros fechados)? O transporte coletivo e os serviços básicos como água ou eletricidade são de competência pública ou de gestão privada, ou seja, que visa primeiramente o lucro?
Via Plataforma Urbana. Tradução Naiane Marcon, ArchDaily Brasil.
Fonte:Jordi Borja. "É possível pôr em prática políticas progressistas nas grandes cidades latino-americanas de hoje?" 24 Feb 2014. ArchDaily. Accessed 25 Fev 2014.  http://www.archdaily.com.br/br/01-178581/e-possivel-por-em-pratica-politicas-progressistas-nas-grandes-cidades-latino-americanas-de-hoje?utm_source=ArchDaily+Brasil&utm_campaign=c483d20836-Archdaily-Brasil-Newsletter&utm_medium=email&utm_term=0_318e05562a-c483d20836-407774757

Prêmio Latino-Americano de Arquitetura Rogelio Salmona: espaços abertos, espaços coletivos

O prêmio é um reconhecimento de alto nível cultural que busca identificar e divulgar as melhores práticas de arquitetura em cidades latino-americanas e do Caribe que criaram espaços públicos significativos para seus habitantes, e que, por sua vez, contribuem com a consolidação de cidades inclusivas, com forte sentido de lugar. 
Alcance
Como área de influência, foram definidas quatro grandes regiões da América-Latina: Região Andina; México, América Central e Caribe; Cone Sul; e Brasil.
Frequência
Os ciclos são bienais. O primeiro ciclo já começou e terminará no segundo semestre de 2014, com a cerimônia de premiação.
Convocatória
O Comitê Internacional do Prêmio, formado por especialistas de cada uma das regiões, é o encarregado de identificar as obras elegíveis para cada ciclo do Prêmio. As obras selecionadas serão convidadas a participar do processo de seleção final e premiação de uma única obra. 
Datas importantes - Primeiro ciclo
  • Investigação e identificação das obras elegíveis: até 25 de abril 
  • Seleção de obras que serão convidadas a participar: 28 e 29 de abril
  • Convite oficial e inscrição via internet: de 5 de maio a 27 de junho 
  • Cerimônia de premiação: 21 de agosto
Todos podem recomendar obras de arquitetura de qualquer cidade latino-americana, as quais serão consideradas pelo Comitê Internacional do Prêmio, durante a etapa de identificação das obras elegíveis.
- São elegíveis para o ciclo do Prêmio as edificação construídas para qualquer uso e escala, novas ou intervenções em obras antigas, públicas ou privadas, que cumpram com as seguintes características:
- Destacar-se por um desenho generoso, perdurável e inclusivo de espaços abertos e coletivos que propiciem o encontro dos cidadãos e contribuam com o desenvolvimento qualitativo e com a revalorização, a partir do respeito e reconhecimento da arquitetura urbana existente. 
- Demonstrar através da documentação sugeria pelo Prêmio, sua capacidade e nível de apropriação por parte dos habitantes ou comunidade.
- Ter sido concluída entre 01 de janeiro de 200 e 31 de dezembro de 2008, e ter, no momento da abertura oficial do ciclo bienal, no mínimo 5 anos de funcionamento.
- Estar localizado na América Latina ou Caribe. 
Cita:Cabezas, Constanza. "Prêmio Latino-Americano de Arquitetura Rogelio Salmona: espaços abertos, espaços coletivos" [Premio Latinoamericano de Arquitectura Rogelio Salmona: Espacios abiertos, Espacios colectivos] 23 Feb 2014. ArchDaily. (Baratto, Romullo Trans.) Accessed 24 Fev 2014.  http://www.archdaily.com.br/br/01-178525/premio-latino-americano-de-arquitetura-rogelio-salmona-espacos-abertos-espacos-coletivos?utm_source=ArchDaily+Brasil&utm_campaign=8167640078-Archdaily-Brasil-Newsletter&utm_medium=email&utm_term=0_318e05562a-8167640078-407774757
 
IAB Tocantins Copyright © 2009 Blogger Template Designed by Bie Blogger Template
Edited by Allan